Rádio Observador

Serviço Nacional de Saúde

Criado grupo para começar a trabalhar no novo hospital para a região Oeste

283

Administração Regional de Saúde e a Comunidade Intermunicipal e o Centro Hospitalar do Oeste criaram nas Caldas da Rainha um grupo para começar a trabalhar no novo hospital para a região.

picture alliance via Getty Image

Autor
  • Agência Lusa

A Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, a Comunidade Intermunicipal e o Centro Hospitalar do Oeste (CHO) criaram esta segunda-feira nas Caldas da Rainha um grupo para começar a trabalhar no novo hospital para a região.

“O Ministério da Saúde pretende apoiar esta iniciativa de estudar a questão de forma integrada entre os responsáveis da saúde e as autarquias locais, na expectativa de chegar a uma solução que dê resposta às necessidades atuais e futuras da região Oeste”, disse aos jornalistas o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, que presidiu à assinatura do protocolo, no distrito de Leiria.

Com a assinatura do protocolo, deu-se um passo muito importante para a concretização do novo hospital do Oeste”, afirmou o presidente da Comunidade Intermunicipal do Oeste, Pedro Folgado.

Já para administradora do CHO, Elsa Baião, “este grupo de trabalho é um primeiro passo, muito importante, no sentido de começar a trabalhar e a visualizar o que poderá ser o novo hospital e de que forma poderá dar resposta a esta região”. O grupo de trabalho deverá começar ainda este mês a recolher informação para entregar aos consultores que vão elaborar o estudo.

Além da criação do grupo de trabalho, a OesteCIM vai em breve lançar concurso para a elaboração de um estudo para definir o tipo de valências e a localização que a nova unidade hospitalar vai ter, assim como o aproveitamento a dar às atuais unidades. “Assim que tivermos o estudo, vamos pressionar a administração central para a sua execução”, sublinhou Pedro Folgado, referindo que a região Oeste quer que o novo hospital seja inscrito nos Orçamentos do Estado na próxima legislatura.

Elsa Baião defendeu que o novo hospital deverá ter as valências existentes nas unidades atuais e outras que possam ser criadas. “Faz sentido que a estrutura seja o mais robusta possível em termos de capacidade de resposta para reter os doentes sem sobrecarregar os hospitais de Lisboa, com vantagens para as pessoas e para os hospitais, que estão muito sobrecarregados”, considerou.

Um novo hospital permitiria “otimizar recursos que são escassos” e ter uma “oferta articulada”, refere o protocolo. As três entidades subscritoras do documento reconhecem que os atuais hospitais, em Caldas da Rainha, Torres Vedras e Peniche, estão “distantes entre si e colocam problemas de gestão de recursos, agravando a dificuldade em fixar médicos em algumas especialidades”.

Por outro lado, os edifícios já não se “adequam à prática de uma medicina moderna, necessitando permanentemente de obras de elevado montante, não existindo condições para a expansão de nenhum dos atuais polos”. Estas três unidades já existentes deverão continuar ligadas à saúde, podendo vir a integrar a Rede de Cuidados Continuados.

O Centro Hospitalar do Oeste integra os hospitais de Torres Vedras, Caldas da Rainha e Peniche e serve cerca de 300 mil habitantes daqueles três concelhos, assim como de Óbidos, Bombarral, Cadaval e Lourinhã e parte dos concelhos de Alcobaça (freguesias de Alfeizerão, Benedita e São Martinho do Porto) e de Mafra (com exceção das freguesias de Malveira, Milharado, Santo Estêvão das Galés e Venda do Pinheiro).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Estruturas do SNS

Fernando Leal da Costa

O problema mais grave em toda a estrutura do SNS é a manutenção que não se faz como devia ser feita. Tudo porque não há engenheiros e técnicos, não se permite outsourcing e a burocracia é infindável.

Salazar

O lugar do morto /premium

Helena Matos
371

Em Santa Comba, a imagem da campa rasa de Salazar tem uma clara leitura política: morreu pobre o homem que esteve 40 anos no centro do poder em Portugal. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)