Rádio Observador

Óbito

Morreu o ator Carlos Lacerda, histórico da Seiva Trupe e da televisão portuguesa

390

Ator português Carlos Lacerda, de 72 anos, que se destacou em companhias como Seiva Trupe e em produções televisivas como "Vidas de Sal", morreu vítima de pneumonia, no Hospital do Barreiro, Setúbal.

© André Gouveia / Global Imagens

Autor
  • Agência Lusa

O ator português Carlos Lacerda, de 72 anos, que se destacou em companhias como Seiva Trupe e em produções televisivas como “Vidas de Sal”, morreu na segunda-feira, no Hospital do Barreiro, Setúbal, disse esta terça-feira à Lusa fonte próxima da família.

“Carlos Lacerda faleceu no dia 9 de setembro, vítima de pneumonia, no Hospital do Barreiro”, disse à agência Lusa o encenador e ator Gonçalo Barata, amigo da família, acrescentando que o corpo vai estar em câmara ardente, a partir da tarde desta terça-feira, na Igreja de São Pedro de Alcântara, na calçada da Tapada, em Lisboa.

Nascido no Porto, Carlos Lacerda iniciou-se no teatro no Orfeão da Foz do Douro, passando depois por companhias como o Grupo Teatral de Ramalde e a Seiva Trupe, onde decorreu grande parte da sua carreira, sem esquecer o seu trabalho com outros grupos como a Companhia de Teatro de Lisboa, a Companhia Teatral do Chiado, a Sociedade Guilherme Cossoul, a Companhia de Teatro de Almada, A Barraca e o Grupo Comédias de Lisboa.

“Perde-se um grande ator e um grande amigo. Trabalhou sempre com grande generosidade e era muito querido com os colegas, muito profissional, muito rigoroso e muito crítico com ele próprio e no meio artístico”, declarou Gonçalo Barata, acrescentando que Carlos Lacerda era “muito considerado pelos colegas”.

Carlos Lacerda fez teatro, cinema e televisão. Representou obras de referência da dramaturgia mundial como “Tio Vânia”, de Anton Tchékhov, “Antígona”, de Sófocles, na adaptação de Bertolt Brecht, “Gota d’Água”, de Chico Buarque, “Cais Oeste”, de Bernard Marie-Koltés, “Henrique V”, de Luigi Pirandello, “Vórtice”, de Neel Coward, “Dá Raiva Olhar para Trás”, de John Osborne, “As Criadas”, de Jean Genet, “Calígula”, de Albert Camus, e “Casa de Mulheres”, de Dacia Maraini, que também encenou.

Foi um nome familiar na televisão portuguesa, sobretudo entre os anos de 1980 e a primeira década de 2000, surgindo nos diferentes canais nacionais, em produções como “O Processo de Camilo”, “Vidas de Sal”, “Grande Aposta”, “Nico d’Obra” e “Ballet Rose”, da RTP, “Médico de Família” e “Aqui Não Há Quem Viva”, da SIC, “Doce Fugitiva” e “Tudo por Amor”, da TVI.

Trabalhou com encenadores como Norberto Barroca, Angel Facio, Joaquim Benite, Carlos Avilez, Carlos Barradas, Hélder Costa, entre outros. No cinema e no audiovisual, trabalhou com realizadores como Monique Rutler (“Solo de Violino”), Fabrizzio Costa e Jorge Queiroga, Nicolau Breyner e Leonel Vieira, Júlio Cardoso e Ulysses Cruz (director da Globo). Como dramaturgo, foi autor de cerca de 20 textos dramáticos.

Era casado com a atriz Estrela Novais, há 33 anos. O corpo de Carlos Lacerda vai ficar em câmara ardente na Igreja de Alcântara a partir das 17h de hoje. Na quarta-feira, dia 11, o corpo do ator sairá da Igreja de São Pedro de Alcântara, às 11h, de onde seguirá para cemitério dos Olivais, em Lisboa, onde decorrerá a cerimónia de cremação, às 12h.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)