Rádio Observador

Cuidado: está quente

Lapa Lapa: marisco, pizzas e comida saudável à beira-mar

891

O ator Pedro Teixeira é um dos sócios, a carta é assinada pelo chef Luís Américo e o espaço ocupa uma das zonas mais adormecidas no Porto. O Lapa Lapa é o restaurante que promete dar vida ao Molhe.

Com um horário alargado, o Lapa Lapa tem uma carta extensa com opções de carne, marisco e comida saudável

O que interessa saber

Nome: Lapa Lapa
Abriu em: Agosto de 2019
Onde fica: Avenida Brasil, Foz
O que é: Um restaurante – bar que une oito empresários de vários projetos de restauração com um objetivo comum: ressuscitar a zona da Foz do Porto
Quem manda: Francisco Antunes, dono do Fé Wine & Club e do restaurante Pregar, Luís Américo, Inês Mendonça e Pedro Figueiredo dos restaurantes Cantina 32 e Puro 4050, Tiago Macedo, sócio do antigo restaurante Tripeiro, José Miguel Rebelo do projeto Sushi Lovers, Tiago Begonha e Pedro Teixeira do Jardim da Villa, no Algarve.
Quanto custa: De 4€, batata frita à Porto, aos 39€, arroz caldoso de camarão tigre para duas pessoas
Uma dica: Experimente um dos pratos onde o pão é substituído por massa de pizza e surpreenda-se
Contacto: 22 261 08011
Horário: De quinta a terça, das 12h às 00h
Links importantes: Facebook

Descobrir uma zona no Porto que ainda faltasse explorar foi o mote do projeto liderado por Francisco Antunes, dono do Fé Wine & Club e do restaurante Pregar, Luís Américo, Inês Mendonça e Pedro Figueiredo dos restaurantes Cantina 32 e Puro 4050, Tiago Macedo, sócio do antigo restaurante Tripeiro, José Miguel Rebelo do projeto Sushi Lovers, Tiago Begonha e Pedro Teixeira do Jardim da Villa, no Algarve. “É um projeto aliciante que junta quatro experiências na restauração muito diferentes. Esperamos criar uma nova centralidade no Porto, onde o Molhe volta a ganhar força e protagonismo”, explica Francisco Antunes em entrevista ao Observador.

Há duas décadas que esta zona da Foz com vista para o Atlântico “parou no tempo”, permanecem os negócios antigos, mas não saltam à vista novidades e a baixa da cidade tornou-se, assim, a morada preferida para comer, sair e dançar. O grupo quer contrariar isso com um restaurante/bar construído numa pérgola e a um passo da praia do Molhe.

“A restauração mudou muito, o cliente passou a ser mais informado, há muita coisa boa e temos que nos diferenciar de alguma forma”, afirma Francisco Antunes. O Lapa Lapa quer ser apenas o primeiro a modernizar o Molhe, mas não tem medo da concorrência, antes pelo contrário. “No próximo ano vai abrir aqui ao lado um projeto de comida saudável, queremos é que venha mais gente para esta zona e que ela tenha movimento e qualidade”, diz, acrescentando que também em 2020 o grupo terá a concessão da praia e por isso irá dinamizar o areal, servindo bebidas.

Inês Mendonça foi a responsável pela decoração do Lapa Lapa, inspirou-se nos tons quentes de Marrocos para que o conceito de restaurante de praia surgisse mais requintado e confortável. As cadeiras têm o típico padrão às riscas das barracas de praia, as plantas estão pousadas em vasos XXL, as velas têm a cera visível nos castiçais e as madeiras claras imperam em todo o mobiliário. O restaurante é climatizado e tem 45 lugares, sendo que apenas a cozinha e a casa de banho são interiores.

Tataki de pato, francesinha sem bife e um Dom Rodrigo reinventado

A carta tem várias páginas e um conceito amplo de comida. Do marisco à carne na brasa, passando pelas bowls, tártaros e pizzas, as sugestões foram assinadas por Luís Américo, um dos chefs mais versáteis e arrojados da cidade, cara dos restaurantes Cantina 32, Puro 4050, Typographia Progresso ou Boteco Mexicano. Nos snacks, disponíveis a qualquer hora do dia, reinam o tártaro de atum e o tataki de pato nos frios e as puntilhitas com limão, as ameijoas à Bulhão Pato ou os rissóis de camarão da costa nos quentes, sem esquecer as batatas fritas à Porto, com queijo flamengo e molho de francesinha.

Há pizzas, foccacias e criações onde o pão é substituído por massa de pizza, como hambúrgueres, cachorros e até a típica francesinha, que é apresentada sem bife, mas com a famosa salsinha fresca da Salsicharia Leandro, ponto obrigatório no Mercado do Bolhão. Para os mais preocupados com a dieta, as bowls de quinoa, espargos, curgete e abóbora assada, a salada de burrata com tomate cereja, orégãos e azeite ou a sopa fria salmorejo, com tomate, alho e migas de pão vão preencher os requisitos.

Dos pratos confecionados na brasa pode escolher entre a posta de novilho laminada com batata no forno, o bife do lombo com molho bearnês ou o peito de pato com manga fresca, rapas de laranja e linguini salteado. Apresentado num tacho de ferro vai encontrar a moqueca de camarão com arroz de coco, a feijoada de gambas com arroz de coentros ou o arroz caldoso de camarão tigre. No universo das sobremesas, o doce conventual Dom Rodrigo, típico do Algarve, preparado com fios de ovos, canela e amêndoas, é aqui reinventado. Cada um dos sócios dá nome a um Dom diferente que conta com os ingredientes favoritos de cada um.

Em breve o Lapa Lapa irá servir pequenos almoços inspirados em vários países e terá um bar especialista em cocktails tradicionais, com mojitos e caipirinhas.

“Cuidado, está quente” é uma rubrica do Observador onde se dão a conhecer novos restaurantes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)