Tem origens (e nome) escoceses, mas nasceu em Massarelos, no Porto. Cá tem o vinho e as origens. De lá, porque estudou Gestão em Londres, ainda traz algum sotaque britânico. No final do ano passado, saiu do pelouro da Symington Family Estates, uma das principais empresas especializadas em Vinho do Porto a nível mundial, que detém hoje 26 quintas distribuídas pelo Douro.

Esta quinta-feira, a UTAD (Universidade de Trás os Montes e Alto Douro) vai entregar a Paul Symington a distinção de Doutor Honoris Causa, “pelos serviços prestados à região, pela relevância do contributo para a economia do território e o tecido empresarial, bem como pelo apoio à preservação da biodiversidade e dos ecossistemas agrários ao longo do seu percurso profissional”, diz a entidade em comunicado.

Entre 2003 e 2018, Paul foi o rosto da Symington Family Estates, empresa familiar há mais de três séculos ligada à região do Douro e ao Vinho do Porto. Pelos serviços prestados à região e ao Vinho do Porto, o gestor tem vindo a ser agraciado com prémios e distinções, sendo uma das principais referências mundiais no sector dos vinhos.

Em maio, o Institute of Masters of Wine, em parceria com a revista Drinks Business, atribuiu lhe o Lifetime Achievement Award – um prémio de reconhecimento de carreira e, em fevereiro, foi-lhe atribuído o prémio ‘Senhor do Vinho’, integrado no Troféus Grandes Escolhas, num reconhecimento pelo trabalho do escocês no douro vinhateiro.

O reitor da UTAD, António Augusto Fontaínhas Fernandes, considera que “Paul Symington tem sido o rosto de uma empresa familiar com sucesso na era da globalização, um exemplo de crescimento, de consolidação da marca e da criação de valor”. A notificar da cerimónia de entrega do título, que decorrerá dia 4 de outubro pelas 15h na aula magna da UTAD, o reitor sublinhou também que o produtor de vinho “ao longo da sua carreira, tem mostrado como a tradição secular do Douro pode coexistir com a mais avançada enologia”.

Paul Symington promoveu, em conjunto com esta universidade, um programa de atribuição de bolsas a estudantes que se têm distinguido na área do vinho e da vinha, assim como programas na área da biodiversidade, dos quais é exemplo o projeto de preservação do Bufo Real.

No ano passado, a Universidade de Trás os Montes e Alto Douro atribuiu o mesmo título a Agustina Bessa Luiz, cujo olhar, segundo a organização, está associado ao de outro doutor da UTAD, Manoel de Oliveira (2012).