O Estado concedeu cerca de 2,3 mil milhões de euros em benefícios fiscais no ano passado. A maior fatia destes benefícios corresponde a isenções ou reduções da taxa de IRC paga sobre os lucros das empresas, onde está também o regime de tributação da zona franca da Madeira. Os benefícios concedidos por este imposto ascenderam a mais de 900 milhões de euros, ainda assim abaixo dos atribuídos em 2017 que alcançaram 1088 milhões de euros.

A seguir na lista dos montantes mais avultados estão os impostos especiais sobre o consumo, com destaque para o imposto sobre os produtos petrolíferos cobrado sobre o carvão usado para produzir eletricidade cuja isenção está a ser eliminada progressivamente, mas que ainda faz da EDP Produção a empresa que recebeu o benefício fiscais mais avultado, mas a descer em relação ao ano passado.

Nesta lista está também o benefício concedido, por exemplo, à Empresa Madeirense de Tabacos associada a Joe Berardo, por conta das taxas reduzidas sobre o imposto praticadas na Madeira e o álcool usado para fins industriais.

O imposto sobre transações de imóveis foi o que registou maior crescimentos nos benefícios fiscais concedidos no ano passado, que cresceram mais de 100 milhões de euros para 406,4 milhões de euros. Na lista dos maiores beneficiários estão instituições bancárias, mas não só.

O imposto sobre os veículos também tem associadas isenções e benefícios fiscais de dimensão, mais de 300 milhões de euros, mas quem aparece como grande beneficiário são as concessionárias e stands de venda de automóveis que cobram o imposto e não os compradores finais que recebem o benefício.