Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Adolfo Mesquita Nunes anunciou este domingo que não vai ser candidato à liderança do CDS-PP, depois de Assunção Cristas ter abandonado a liderança do partido após os resultados nas eleições legislativas de 6 de outubro. “Não serei candidato à liderança do partido, em coerência aliás com uma escolha que fiz em Março deste ano, cuja fundamentação se mantém”, esclareceu no Facebook.

O centrista escolheu esta rede social para responder ao desafio deixado por António Pires de Lima, que numa entrevista à Antena 1 na abordou os resultados do CDS-PP. Pires de Lima afirmou que queria ver “o talento” de Mesquita Nunes “posto à prova numa função de liderança na política”. Adolfo Mesquita Nunes justifica esta sua intervenção antes do Conselho Nacional do partido, algo que não planeara, com o “calendário mediático”,  destacando ainda a amizade e admiração pelo ex-ministro da Economia.

O antigo vice-presidente do CDS-PP deixou o cargo de dirigente partidário em março depois de ter aceitado o convite para ser administrador não executivo da Galp. Entre fevereiro de 2013 e 2015 foi o secretário de Estado do Turismo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR