A Caixa Geral de Depósitos (CGD) conclui esta segunda-feira definitivamente a venda da sua filial espanhola ao Abanca por 364 milhões de euros, numa cerimónia em Madrid em que também será assinado um acordo de colaboração comercial.

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, e o presidente do Abanca, Juan Carlos Escotet Rodríguez, irão assinalar às 12h (11h de Lisboa), na sede do banco espanhol, o fim do processo de compra/venda do Banco Caixa Geral (nome da filial da CGD).

Da parte da tarde realiza-se em Vigo, na Galiza, uma assembleia-geral extraordinária de acionistas da filial espanhola do banco português para nomear a nova administração do banco que passa a ser propriedade do Abanca.

A transferência da propriedade da empresa culmina um processo iniciado em novembro de 2018, quando o Governo português escolheu o Abanca para a venda da filial da CGD.

A assembleia-geral extraordinária desta segunda-feira foi convocada depois de, a 9 de setembro, o Banco Central Europeu (BCE) ter autorizado a operação. De acordo com previsões do Abanca, a integração informática, jurídica e financeira das duas entidades deverá ser realizada “no primeiro trimestre de 2020”.

A entidade bancária espanhola revelou que através da integração do Banco Caixa Geral, o Abanca irá adicionar um volume de negócios de 7.000 milhões de euros e 131.000 clientes.

A instituição pagou 364 milhões de euros pela aquisição de 99,79% da filial espanhola, o que teve um impacto positivo de 135 milhões nos resultados do primeiro semestre e nos capitais consolidados da CGD.