Os embaixadores dos países da União Europeia (UE) concordaram, este domingo, em continuar com o processo de aprovação do acordo Brexit, à espera de ver o que acontece no Parlamento britânico no próximos dias.

“Os embaixadores tomaram nota dos últimos desenvolvimentos, incluindo a receção da carta [enviada sábado à noite pelo primeiro-ministro Boris Johnson] a pedir um prolongamento do prazo”, disseram à EFE fontes europeias.

As mesmas fontes apontaram que, na reunião dos embaixadores dos Estados-Membros da UE, que durou “um pouco menos” de 15 minutos, ficou acordado os vinte e sete países da União Europeia prosseguirem com os preparativos para validar o acordo de saída alcançado entre Londres e Bruxelas.

Os diplomatas enviaram o acordo para aprovação no Parlamento Europeu, que se reúne em Estrasburgo na próxima semana.

Derrotado, Boris cede sem ceder: pede adiamento “forçado”, mas avisa que não o quer

Numa sessão extraordinária na Câmara dos Comuns, os deputados britânicos aprovaram no sábado uma emenda solicitando um adiamento do Brexit, que levou o governo de Boris Johnson a retirar a votação planeada do acordo.

Ao não votar-se o acordo, entrou automaticamente em vigor a Lei de Benn, elaborada há algumas semanas pelos mesmos deputados, com o objetivo de impedir uma saída britânica não negociada a 31 de outubro.

A alteração adotada no sábado pretende funcionar como uma salvaguarda de segurança, caso o procedimento parlamentar da lei do Brexit não fique concluído até ao dia 31, e impedir o Reino Unido de sair da UE sem acordo.

No entanto, o governo britânico já veio reiterar que é sua intenção deixar a União Europeia no dia 31 de outubro.

Brexit. As cartas de Inglaterra de Boris para Bruxelas