O Presidente norte-americano está decidido a impedir que a Califórnia e outros estados implementem normas mais exigentes em defesa do ambiente, limitando o nível de emissões poluentes dos veículos que podem ser vendidos na sua região. Para tal, Trump aprovou em Setembro uma lei federal que impeça os estados mais preocupados com a qualidade do ar de incentivar o uso de veículos menos poluentes e até com zero emissões.

Segundo a Auto News, para responder a este ataque do Presidente, a Califórnia e 22 outros estados ripostaram com um contra-ataque em tribunal, onde um juiz lhes garantiu a autoridade em impor as suas próprias regras ambientais, o que provocou uma resposta do Governo, que recorreu ao tribunal de apelo para tentar fazer valer a sua vontade. Se esta disputa entre Trump e os estados mais sensíveis aos problemas ambientais não é nova, nem espanta ninguém, já o mesmo não acontece no naipe de empresas que resolveram vir a público apoiar Donald Trump.

Além da National Automobile Dealers Association, a associação dos concessionários americana, espantou que a Toyota, Hyundai, General Motors, Fiat Chrysler Automobiles, Mazda, Nissan, Kia e Subaru estivessem ao lado do Presidente norte-americano, isto porque a maioria delas são particularmente activas em prol do ambiente na Europa, China e Japão, onde são obrigadas pelo legislador a cumprir.

Do lado californiano e dos estados contestatários estão as marcas Volkswagen, Ford, Honda e BMW, que concordam com as metas estabelecidas em 2012 pelo Presidente Obama, que apontava para 46,7 milhas por galão (cerca de 5,03 l/100 km) em 2026.