Uma jornalista do ABC terá acusado o Palácio de Buckingham de ter pressionado o canal de televisão norte-americano a não publicar uma reportagem com uma alegada vítima de Jeffrey Epstein e do Príncipe André, filho da rainha do trono britânico. As imagens a que a BBC teve acesso mostram Amy Robach, a jornalista, a afirmar que os editores foram reprimidos: “O Palácio descobriu e ameaçou-nos em milhões de formas diferentes”, terá dito a repórter no vídeo.

A entrevista de Amy Robach a Virginia Giuffre, uma suposta vítima de Jeffrey Epstein e de André, remonta a 2015. Mas a conversa nunca foi transmitida pela ABC, o que terá incomodado a repórter. As reclamações foram tornadas públicas na terça-feira pelo Projeto Veritas, que tem por objetivo expor alegadas parcialidades liberais por parte dos órgãos de comunicação social generalistas nos Estados Unidos.

De acordo com a BBC, que teve acesso às imagens, Amy Robach confessa que sabia da história de Virginia Giuffre havia três anos — ou seja, desde 2012 —, mas que o canal de televisão não quis publicar a entrevista: “Primeiro disseram-me: ‘Quem é o Jeffrey Epstein? Ninguém sabe quem ele é. Essa é uma história estúpida’.  Depois o Palácio descobriu que tínhamos todas as alegações dela sobre o Príncipe André e ameaçou-nos em milhões de formas diferentes”, terá explicado a jornalista.

Jeffrey Epstein e o Príncipe André não eram as únicas celebridades que Virginia Giuffre acusava de abuso e assédio sexual na entrevista à ABC, afirma a Amy Robach. Virginia Giuffre também acusaria Bill Clinton, antigo presidente dos Estados Unidos, dos mesmos crimes. “Tínhamos tudo. Tentei tornar isto público durante três anos, sem sucesso. E agora está tudo a sair e é como se fossem novas revelações. Nós tínhamos tudo”, desabafou a jornalista.

Em comentários à BBC, a ABC disse haver “zero verdade” nas declarações de Amy Robach. Segundo o canal de televisão, a entrevista não foi publicada porque “não respeitava os padrões” da ABC, mas garante: “Nunca parámos de investigar a história”.

Já Amy Robach confirma que as declarações feitas no vídeo a que a BBC teve acesso foram feitas “num momento privado de frustração”: “Estava chateada porque uma entrevista importante que eu tinha feito à Virginia Roberts não foi para o ar porque não conseguimos obter provas corroborativas suficientes”. Depois defende-se das acusações que a vítima tinha apontado a Bill Clinton: “Os meus comentários sobre o príncipe André e a alegação de que tinha visto Bill Clinton na ilha privada do Epstein foram em referência ao que Virginia Roberts disse, não a uma confirmação que a ABC fez”.

Já o Palácio de Buckingham remeteu-se ao silêncio: “Essa é uma questão para a ABC”, respondeu o porta-voz da Coroa britânica quando questionado pela BBC.