O presidente boliviano Evo Morales vai convocar novas eleições gerais no país. A decisão surge depois de a Organização dos Estados Americanos ter chumbado num relatório preliminar a forma como decorreram as eleições de 20 de outubro na Bolívia, está a avançar o El País. “Decidi renovar todos os membros do Supremo Tribunal Eleitoral e convocar novas eleições gerais”, anunciou o presidente em conferência de imprensa.

No mesmo discurso, Evo Morales referiu-se aos protestos que têm sido organizados na Bolívia perante as suspeitas de fraude durante as eleições. Quando as forças da autoridade se amotinaram, o Ministro Relações Exteriores reagiu: “Os últimos acontecimentos põem em evidência a implementação de um plano de golpe de estado provocado por grupos cívicos radicais”. Agora, com a convocação de novas eleições, Morales suavizou: “Quero pedir para baixarmos toda a tensão. Todos temos a obrigação de pacificar a Bolívia”, conta o G1.

Nas eleições a 20 de outubro, Evo Morales venceu com 47,07%, enquanto Carlos Mesa se tinha ficado pelos 36,51%. A diferença de dez pontos percentuais entre os dois fez com que o presidente da Bolívia desde 2006 fosse eleito na primeira volta — algo histórico naquele país. Carlos Mesa apresentou uma queixa, que foi apreciada pela Organização dos Estados Americanos após uma auditoria.

No documento redigido pela instituição, a Organização dos Estados Americanos concluiu que tinha havido irregularidades nas eleições de 20 de outubro na Bolívia: “A equipe de auditores não pôde validar o resultado da presente eleição, e recomenda um outro processo eleitoral. Qualquer futuro processo deverá contar com novas autoridades eleitorais para poder levar a cabo eleições confiáveis”, pode ler-se

Desde então que milhares de pessoas tem-se manifestado na rua contra Evo Morales. Entretanto, o presidente do país afirmou que, à conta desses protestos, as casas da irmã e de dois governadores tinham sido incendiadas. “Denunciamos e condenamos perante a comunidade internacional e o povo boliviano que o plano de golpe fascista executa atos violentos com grupos irregulares que atearam fogo à casa dos governadores de Chuquisaca e Oruro e da minha irmã naquela cidade”, escreveu no Twitter.

União Europeia felicita a decisão do Presidente boliviano

A União Europeia manifestou este domingo a sua satisfação pela decisão do Presidente da Bolívia, Evo Morales, em repetir as eleições no país, depois das acusações de fraude nos comícios de 20 de outubro e dos protestos nas últimas semanas.

“O regresso à estabilidade na Bolívia requer um novo processo eleitoral, que seja oportuno e credível e reflita fielmente a vontade do povo. Deveria ser designado um novo Supremo Tribunal Eleitoral que ofereça garantias de realização de umas eleições transparentes”, disse a alta representante da União Europeia (UE) para os Negócios Estrangeiros, Federica Mogherini.

Mogherini afirmou também, em comunicado, que tomou nota “positiva” do anúncio efetuado pelo Governo boliviano “de avançar com rapidez nessa direção”. “Pedimos a todas as partes, em especial às autoridades, para assumirem as suas responsabilidades democráticas e tomarem as decisões apropriadas que permitirão uma rápida reconciliação e evitar mais violência”, disse a responsável da UE.

Atualizado às 19 horas com a reação da União Europeia