As principais bolsas europeias estavam esta quinta-feira em baixa, à espera de novidades políticas em Espanha e das negociações comerciais entre os Estados Unidos e a China.

Cerca das 8h55 em Lisboa, o EuroStoxx 600 recuava 0,19% para 405,10 pontos.

As bolsas de Londres, Paris e Frankfurt desciam 0,32%, 0,01% e 0,42%, bem como as de Madrid e Milão, que recuavam 0,25% e 0,38%, respetivamente.

Depois de ter aberto em baixa, a bolsa de Lisboa mantinha a tendência, estando cerca das 8h55 o principal índice, o PSI20, a desvalorizar-se 0,37% para 5.274,46 pontos.

Os mercados suspeitam que as negociações entre Washington e Pequim podem estar encalhadas por divergências sobre as compras de produtos agrícolas.

Apesar disto, os mercados saudaram resultados positivos de empresas e as palavras do presidente da Reserva Federal dos Estados Unidos (Fed), Jerome Powell, que afirmou no Congresso que não prevê mais alterações das taxas de juro depois dos três cortes consecutivos.

Em Espanha, a bolsa de Madrid estava, de novo, em baixa, com os investidores a reagirem negativamente ao pré-acordo de governo entre o PSOE e o Unidas Podemos, porque consideram que pode vir a castigar o mundo empresarial, muito especialmente o setor bancário.

O Unidas Podemos propõe não privatizar o Bankia, onde o Estado espanhol tem uma participação de mais de 60%, e criar um grande banco público a partir da instituição.

No caso dos bancos, o Podemos pretende aplicar um imposto direto e o PSOE quer subir o imposto das empresas, além do das transações financeiras (taxa Tobin).

Nas eleições de 10 de novembro, o PSOE (socialistas) posicionou-se como a primeira força política de Espanha, com 120 deputados, (seguido do PP, com 88, e do VOX, com 12 deputados), não tendo havido um claro vencedor com a maioria absoluta necessária para formar governo.

Na quarta-feira, a bolsa de Nova Iorque terminou com o Dow Jones a subir para 27.783,59 pontos, novo máximo desde que foi criado em 1896.

Em sentido contrário, o Nasdaq fechou a descer 0,05% para 8.482,10 pontos, contra o atual máximo de 8.486,09 pontos registado em 12 de novembro.

A nível cambial, o euro abriu esta quinta-feira a subir no mercado de câmbios de Frankfurt, a cotar-se a 1,1013 dólares, contra 1,0999 dólares na quarta-feira.

O barril de petróleo Brent para entrega em janeiro de 2020 também abriu esta quinta-feira em alta, a cotar-se a 62,61 dólares no Intercontinental Exchange Futures (ICE) de Londres, contra 62,37 dólares na quarta-feira.