Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

No total, 18 obras previstas no programa Ferrovia 2020 foram atrasadas ou adiadas pela Infraestruturas de Portugal (IP), sendo uma outra cancelada. De acordo com o Jornal de Notícias e o Dinheiro Vivo este programa de recuperação e modernização dos caminhos de ferro nacionais foi apresentado em 2016 e previa um investimento de cerca de dois mil milhões de euros.

O projeto pretendia abranger todo o país, logo este recuo vai fazer-se sentir de norte a sul. Começando pela Linha do Douro, por exemplo, a eletrificação do troço entre Marco de Canaveses e Régua, cuja conclusão estava prevista para o final deste ano, foi cancelada por causa de uma alteração do “consórcio projetista” — “As dificuldades técnicas evidenciadas pelo consórcio projetista obrigaram à revogação do contrato. A IP está atualmente a concluir a contratação de um novo consórcio projetista”, contou fonte da IP ao diário.

Ainda por essas latitudes, na Linha do Norte foi atrasada a renovação da ligação entre Válega e Espinho, cuja conclusão estava prevista para final do passado mês de setembro mas afinal só ficará concluída algures “entre 2022 e 2023”, estando programado para 2020 o lançamento do concurso da empreitada. A eletrificação da Linha do Minho e dos troços algarvios que ligam Tunes com Lagos e Faro com Vila Real de Santo António também vão receber uma nova data de conclusão: no primeiro caso, os habitantes de Valença vão ter de esperar até 2020 para começar a ver carruagens movidas a eletricidade (de acordo com o programa lançado em 2016 esse momento devia ter acontecido no primeiro trimestre deste ano); no segundo, mais a sul, estima-se que a renovação seja concluída algures no segundo trimestre de 2023, registando-se um atraso de quase dois anos por culpa, diz a IP, das avaliações de impacto ambiental.

Estes contratempos acabam por atrapalhar as ambições do novo Governo de António Costa. Ainda há pouco mais de um ano, o próprio primeiro-Ministro declarou que a ferrovia era uma das “prioridades” do executivo e que era preciso “”fazer o que ainda não foi feito”. E recentemente Pedro Nuno Santos, ministro das Infraestruturas e Habitação, voltou a referir a importância da Ferrovia como sector estratégico do país.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR