Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Jeep, marca reputada pelos seus 4×4 e pertença da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), estreou-se na electrificação da sua gama em solo chinês. O maior mercado automóvel do mundo tem acusado uma forte retracção nas vendas e o fabricante norte-americano tem-se ressentido particularmente disso. Nos primeiros 10 meses deste ano, comercializou 57.804 unidades, o que corresponde a uma descida de 46% face ao mesmo período de 2018.

Para estimular as vendas e, simultaneamente, lançar a sua ofensiva de electrificação, a Jeep arrancou com as vendas na China da variante híbrida plug-in (PHEV) do Grand Commander, pois também por lá a regulamentação está a “empurrar” os construtores de automóveis para mecânicas electrificadas. Esteticamente, há poucas diferenças entre esta versão e o Grand Commander exclusivamente a combustão.

Com lugar para sete ocupantes, o Grand Commander PHEV é produzido localmente, tal como também acontece com o Renegade, o Cherokee e o Compass. Sai da fábrica que a FCA mantém juntamente com o seu sócio chinês GAC e chega aos concessionários com um preço a partir de 309.800 yuans, cerca de 39.960€ no câmbio actual, já considerando os incentivos governamentais.

O primeiro Jeep electrificado monta sob o capot um motor a gasolina 2,0 litros turbo, coadjuvado por dois pequenos motores eléctricos. O conjunto permite-lhe homologar um consumo médio de combustível de 1,6 litros por cada 100 km e uma autonomia em modo exclusivamente eléctrico de 70 km – valores certificados sob o protocolo chinês de medição de consumos e emissões.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na Europa, vai ser preciso esperar pelo início de 2020 para adquirir um Jeep híbrido. Os planos oficiais da marca passam por introduzir em alguns países europeus as variantes PHEV do Renegade e do Compass no arranque do próximo ano. Em Portugal, estas versões electrificadas só deverão estar disponíveis no segundo semestre de 2020.