O PSD indicou para o Conselho Superior do Ministério Público o marido da deputada e porta-voz do partido para a área da Justiça, Mónica Quintela — que foi também a advogada do triplo homicida Pedro Dias. De acordo com a SIC, o nome de Rui da Silva Leal, advogado que também fez parte da equipa de defesa do mediático caso, surge na lista que o PSD entregou na passada quarta-feira, no Parlamento.

Rui Rio, por sua vez, afasta qualquer cenário de promoção de relações familiares em cargos do partido. Contactado pelo Observador, o partido remeteu para um esclarecimento enviado às redações, no qual Rui Rio começa por destacar que o advogado “não está a ser nomeado pelo presidente do PSD para nenhum cargo”, mas sim a “ser indicado para uma lista que vai ser votada pelos deputados”.

O cargo que o Dr. Rui Silva Leal vai ocupar se a AR o eleger não é um cargo executivo, nem sequer tem qualquer vencimento atribuído, ao contrário do que aconteceu com os casos públicos ligados ao Governo”, lê-se ainda.

A nota elenca depois os cargos ocupados pelo advogado Rui Silva Leal, desde 2002, como forma de mostrar que “tem um perfil totalmente adequado para o desempenho do cargo para que está ser proposto”. Rui Rio explica ainda que “conhece profissionalmente” o advogado “há muitos anos, muito antes” de se ter casado com a agora deputada Mónica Quintela.

Em Coimbra, depois de ter participado numa sessão com militantes, Rio acrescentou aos jornalistas: “Eu pensei bem antes de fazer a indicação e acho que pensei demais e a única decisão possível é essa que eu tomei. Qualquer outra decisão era uma decisão até de uma certa cobardia”.

Em relação às críticas, Rui Rio disse que “escolha provocadora era nomear a minha filha que anda no 1.º ano de Direito. Isso seria uma coisa mais própria do familygate”, acrescentando que só há “uma ligeira confusão” em torno desta indicação “porque daqui por menos de um mês há eleições internas” no seu partido.

“Eu não me podia acobardar por causa desse facto. É mais importante o interesse do país e o bom desempenho do Conselho Superior do Ministério Público do que andar aqui a fazer gestão da eleição”, acrescentou.

“Esta é a decisão correta, mais ainda uma pessoa que tem o perfil correto e exato para o lugar e penso que os deputados vão votar nele e nos outros [indicados] justamente por causa disso”, vincou.

O líder dos sociais-democratas considerou que é de “manifesta má-fé” comparar este “caso único” com a “nomeação direta de familiares em catadupa por parte de um Governo”. “Não há, entre eles, qualquer semelhança que se possa atribuir”, diz ainda, admitindo que tem noção que indicar o marido da deputada Mónica Quintela “poderia depoletar uma polémica artificial em tempo de eleições internas no PSD”. Ainda assim, diz, “optou pela decisão de indicar o nome que, há muito, tinha em mente para desempenhar o cargo em questão”. “Porque fazer o contrário seria uma cobardia que não se coaduna com a sua maneira de ser”, remata.