Este sábado, no Qatar, Al-Hilal e Espérance encontraram-se para discutir quem ficava com a vaga disponível nas meias-finais do Mundial de Clubes. Nas bancadas do Khalifa Internacional, o estádio que recebeu o jogo, a equipa dos Emirados Árabes Unidos e a da Tunísia tinham um observador especial: Jorge Jesus.

A comitiva do Flamengo chegou na manhã desta segunda-feira a Doha, no Qatar, para começar a preparação para a meia-final da próxima terça-feira, mas só passou de raspão no hotel. Parte da equipa técnica de Jorge Jesus, incluindo o treinador português, e alguns jogadores decidiram então deslocar-se até ao Khalifa Internacional para ver o encontro que iria ditar o adversário das meias-finais. Mas Jesus tinha poucas dúvidas sobre a equipa vencedora.

O treinador português orientou o Al-Hilal depois de sair do Sporting e antes de rumar ao Brasil

Jesus deu como certa a passagem do Al-Hilal, o clube que orientou antes de rumar ao Brasil, e deixou desde logo avisos aos adeptos do Flamengo sobre “os perigos” da equipa dos Emirados, recordando que foi ele que a “montou”. Răzvan Lucescu, o atual treinador do Al-Hilal, respondeu a Jesus e elogiou o treinador — mas recordou que a equipa foi construída ao longo de “cinco anos”.

“Jorge Jesus é um dos principais treinadores do mundo atualmente, ajudou na construção desta equipa e temos de agradecer por isso. É correto dizer que esta equipa foi formada em cinco anos de disputas em competições importantes, como a Liga dos Campeões [da Ásia]. Não só com Jesus mas também com Ramón Díaz e muitos outros”, defendeu o técnico romeno. Opiniões à parte, e mesmo com a vitória teórica assegurada por Jorge Jesus, a verdade é que o Al-Hilal ainda tinha de ultrapassar este sábado os tunisinos do Espérance para o português reencontrar a antiga equipa.

O peruano Carrillo, que representou o Sporting e o Benfica, foi titular no Al-Hilal

Além do ex-Sporting e Benfica Carrillo, era titular no Al-Hilal o colombiano Gustavo Cuéllar, que foi treinado por Jorge Jesus no Flamengo durante uma parte da temporada e acabou por deixar o clube brasileiro depois de um diferendo com a Direção. A equipa dos Emirados Árabes Unidos foi melhor na primeira parte, obtendo a maior percentagem de posse de bola e grande maioria dos ataques, mas acabou por não conseguir transformar essa superioridade em golos até ao intervalo. Na segunda parte, e face a uma certa apatia das duas equipas — o Al-Hilal continuava por cima mas falhava normalmente na hora do último passe –, Gomis entrou na equipa dos Emirados para substituir Cuéllar. E o avançado francês, que passou pelo Lyon e pelo Marselha e foi o melhor marcador da Liga dos Campeões da Ásia, não precisou de dez minutos para desbloquear o resultado.

Depois de um passe a rasgar de Carrillo, o avançado francês apareceu na grande área, evitou um adversário com um toque de classe muito acima da média e atirou para abrir o marcador com a bola ainda no ar (73′). Gomis, que já na antevisão da partida tinha referido que Jorge Jesus “é o melhor” e que o ajudou “a evoluir desportivamente”, correu para a zona da bancada onde estava a delegação do Flamengo e pareceu apontar para o treinador português, que respondeu com um sorriso.

Até ao final, o Al-Hilal ainda ficou reduzido a dez elementos, graças à expulsão por acumulação de cartões amarelos do médio Kanno, mas conseguiu segurar a vantagem mínima e garantir a presença nas meias-finais do Mundial de Clubes. Já na próxima terça-feira, Jorge Jesus vai então reencontrar a antiga equipa e os antigos jogadores e tentar levar o Flamengo até outra final (onde o mais provável é cruzar com o Liverpool, que vai defrontar o Monterrey ou o Al Sadd nas meias-finais).