O eurodeputado do PS Manuel Pizarro diz que a proposta da União Europeia para as quotas de pesca em Portugal vai muito para além do necessário. Hoje a União Europeia define as quotas de pesca para 2020. No caso português, Bruxelas defende uma redução para metade das capturas de de carapau, de 20% das de pescada, e 40% das de linguado. Os Estados-membros tradicionalmente reveem as propostas da Comissão em alta. Por seu lado, organizações não governamentais na área das pescas alertaram para o risco de incumprimento do objetivo de acabar com a sobrepesca até 2020.

Ao Observador, o socialista diz que esta proposta “não é coerente” e que “vai muito para além da recomendação científica” sobre a “necessidade de proteção das espécies marinhas”, logo “a Comissão não está a fazer bem o seu trabalho”. Manuel Pizarro afirma que a sustentabilidade da União Europeia assenta numa vertente ambiental, mas também nas vertentes social e económica.

O eurodeputado socialista espera que a proposta de Bruxelas não avance. Diz ainda que “há amplo espaço para defender a posição nacional”, já que “Portugal tem como Ministro do Mar uma figura muitíssimo respeitada do ponto de vista técnico e científico na Europa”. Do lado de Portugal, vai também marcar presença em Bruxleas a ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque. Os ministros portugueses juntam-se aos ministros responsáveis pela área das pescas e da floresta dos outros estados-membros da União Europeia. A reunião é presidida pela ministra da Agricultura e Florestas da Finlândia.