Terão sido cerca de 110 os bispos católicos que, durante a passada semana, entre 22 e 25 de janeiro, se reuniram no Penha Longa Resort, em Sintra, para uma reunião convocada pelo Instituto Acton para o Estudo da Religião e a Liberdade.

O think-thank, sediado no Michigan e presidido pelo padre americano Robert Sirico, tem a missão assumida de “promover uma sociedade livre e virtuosa caracterizada pela liberdade individual e sustentada por princípios religiosos”, mas também é conhecido pelas críticas ao Papa Francisco, nomeadamente no que diz respeito às suas posições sobre o mercado livre, o estado social, impostos e alterações climáticas. “A sua compreensão dominante é a de que fazer negócios é egoísta porque apenas beneficia quem os faz e não os pobres”, disse Sirico em abril de 2019, à margem da visita de Steve Bannon à Cidade do Vaticano, para dar uma conferência de imprensa a alertar para o posicionamento político do Papa.

De acordo com o jornal digital 7MARGENS, que revelou esta segunda-feira a reunião, os 110 bispos que marcaram presença em Sintra eram oriundos de 42 países, sobretudo da América Latina mas também dos Estados Unidos, Angola, Etiópia, Paquistão e  Médio Oriente, teriam entre eles três cardeais — Berhaneyesus Souraphiel, arcebispo de Adis Abeba, foi o único a ser identificado.

Vários participantes, entre os quais não se contava um único português, reforçaram ao jornal o carácter “discreto, confidencial, reservado, familiar e informal”. Alguns acederam em revelar o que aconteceu entre quarta-feira e sábado da passada semana e explicaram que se terá tratado de um encontro de “estudo, discussão e partilha de experiências” subordinado ao tema “fé, razão e justiça social”.

“É preciso formar as famílias, por causa da tendência para a diminuição no número de filhos. No Ocidente, há cada vez mais famílias sem filhos e com animais de estimação e a família está a desaparecer; na Ásia, as famílias estão cada vez mais envelhecidas; e em África, a tendência também é para que se reduza o número de filhos”, concretizou ainda um bispo, oriundo do continente africano.

O facto de o hotel — de cinco estrelas e dotado de um campo de golf de 27 buracos, um spa de 1500 metros quadrados e um restaurante distinguido com uma estrela Michelin — ter uma capela, do século XIV, terá sido preponderante para a escolha do local do encontro, disse ainda um dos bispos presentes ao 7MARGENS.

Alguns dos participantes, dada a proximidade, terão viajado até ao Santuário de Fátima, também de forma discreta e anónima, uns logo na terça-feira antes do início do encontro, outros já no domingo. De acordo com o jornal digital, mantido pelo jornalista especialista em religião António Marujo, um dos bispos terá chegado mesmo a concelebrar uma missa no santuário, mas os serviços não o terão registado.