Um terramoto de magnitude 7,7 (escala de Richter) foi registado entre Cuba e Jamaica, a uma profundidade de 10 quilómetros, e registou-se perto de uma falha geológica naquela zona. Apesar da magnitude, não chegou a ser declarado alerta de tsunami.

Segundo a imprensa local, o epicentro do terramoto foi registado a 125 quilómetros do noroeste de Lucea, na Jamaica, pelas 2h10 locais (menos cinco horas que em Lisboa) e pela sua magnitude pode causar consequências graves, como um tsunami na costa da Jamaica, Belize, Cuba, Honduras, México e nas Ilhas Caimão, mas até agora ainda não há um concreto alerta para tal.

Segundo a BBC, o impacto do tremor de terra ainda  se sentiu nalguns edifícios, mas não houve registo de qualquer dano ou vítima. Alguns edifícios em Miami e na Jamaica ainda foram temporariamente evacuados, temendo-se a magnitude do tremor de terra e um possível tsunami dado como possibilidade, mas as autoridades acabaram por suavizar as consequências do terramoto. O sismologista Lucy Jones explicou no Twiiter que o terramoto produziu “um movimento lateral” na falha, por isso o risco de tsunami tornara-se muito baixo.

Há quatro dias houve registo de um outro perto de Cuba, também a uma profundidade de 10 quilómetros, mas como uma magnitude de 4.2.

A placa tectónica das Caraíbas é muito complexa, porque envolve quatro grandes placas: a da América do Norte, a da América do Sul, a de Naszca e de Cocos. Há longas zonas de subduções (quando um placa mergulha debaixo da outra) ao longo das margens do Oceano Atlântico na América Central que envolvem esta placa das Caraíbas, que indicam falhas e separações já nas zonas da Venezuela, das ilhas Caimão e da Guatemala.

Enquanto parte da placa América do Norte mergulha sobre a das Caraíbas, está a formar-se uma enorme fossa junto a Porto Rico

Do lado da América do Norte, onde este sismo aconteceu, a placa caribenha move-se a uma velocidade de cerca de 20 milímetros por ano, desde a ilha de Roatan até ao Haiti, de um dos lados, e, mais a leste, da República Dominicana às Bermudas.

Enquanto parte da placa América do Norte mergulha sobre a das Caraíbas, está a formar-se uma enorme fossa exatamente junto a Porto Rico, que se tornou uma zona de terramotos (a maioria entre 70 a 300 km de profundidade).

[As imagens do terramoto que abalou as Caraíbas]