Desembaraçados das obrigações reais, Harry e Meghan têm seguido a sua vida do outro lado do Atlântico. E se o desejo manifestado pelo casal de se tornarem “financeiramente independentes” desde logo veio a lume, as notícias mais recentes mostram como não deverá ser difícil alcançar esse objetivo. A verdade é que chegados à grande noite dos Óscares, e segundo a revista Hello, só não veremos o casal em pleno palco do Dolby Theatre, em Los Angeles, porque o mesmo terá recusado o convite endereçado pela organização para entregarem a estatueta para o Melhor Filme. “Sentiram-se muito honrados pelo pedido, mas declinaram o convite”, contou uma fonte àquela publicação, que dá conta da passagem do par por outro estado norte-americano nos últimos dias.

Coube à Page Six avançar com a notícia — já confirmada por um porta-voz do Palácio de Buckingham — de que os duques participaram na Alternative Investment Summit, uma conferência promovida pela JP Morgan, focada no universo da banca, que decorreu no luxuoso South Beach’s 1 Hotel, em Miami, e que reuniu um leque de milionários famosos. Foi o caso do antigo jogador de baseball, Alex Rodriguez (companheiro de Jennifer Lopez, com quem Harry e Meghan terão jantado), e de Bill Gates, o CEO da Microsoft. A presença dos Sussex terá sido mantida em sigilo por razões de segurança. Quantos aos valores envolvidos nesta participação, a primeira no rescaldo do Megxit, os especialistas estimam que se situarão algures entre o meio milhão e um milhão de dólares.

Ao jornal Metro, o CEO da empresa de relações públicas 5WPR, de Nova Iorque, Ronn Torossian, considerou que a presença de Harry e Meghan foi uma enorme vitória para a JP Morgan, e parece não ter dúvidas de que Harry e Meghan são o casal-sensação do momento.

“Não há nenhuma celebridade no mundo mais quente do que eles neste momento. Os Obamas? Perdes alguns republicanos. E Kim Kardashian e Kanye West não conseguem fazer-lhes sombra. Harry e Meghan têm um enorme potencial de ganho. Dos livros aos patrocínios e presenças, as suas oportunidades são ilimitadas”.

Durante esta deslocação ao estado da Florida, nos EUA, Harry e Meghan, que têm estado fixados no Canadá, depois da sua saída dos Reino Unido, terão ficado instalados na mansão de Serena Williams, estrela do ténis e amiga de Markle. Quanto ao discurso do príncipe, terá incidido nos anos em que passou por terapia e lembrado como a morte da princesa de Gales influenciou a sua infância. Terá sido Meghan a anunciar a subida ao palco do marido, depois de ela própria ter sido anunciada pela apresentadora Gayle King.

Ele falou sobre como estes acontecimentos da sua infância o afetaram”, disse um dos conferencistas à Sky News.

Mas também se falou do presente, nomeadamente do Megxit. Segundo a mesma fonte anónima, Harry terá dito que, “ao mesmo tempo que foi muito difícil para ele e para a Meghan, não está arrependido da sua decisão uma vez que quer proteger a sua família”. “Ele não quer que Meghan e o seu filho Archie passem pelo mesmo que ele passou enquanto criança”, acrescentou ainda.

Sobre os próximos passos, e próximos meses, 100 milhões de retorno só para Meghan é quanto a ex-atrix de Suits poderá gerar, a confiar nas previsões de quem domina o poder das marcas, como é o caso do perito em relações públicas Simon Huck, bastante chegado ao clã Kardashian, e que não tem dúvidas que ambos serão “os mais bem pagos oradores do mercado corporativo”.