Desde setembro do ano passado que não são admitidos novos doentes nas listas de espera para transplantes de fígado, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). Os dados foram avançados ao jornal Público pelo Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), que os revela na edição de esta segunda-feira.

Segundo o diário português, que ouviu quer o conselho de administração do Centro Hospitalar quer o Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), há dois motivos distintos que explicam os cinco meses sem admissão de pacientes para transplantes hepáticos nesta unidade hospitalar. Uma é uma bactéria multiresistente que foi detetada na zona de internamento do CHUC e que levou à suspensão temporária da admissão de novos doentes — a situação foi resolvida ainda em 2019. A outra é a falta de recursos humanos da unidade, que leva a que só sejam feitos transplantes hepáticos em “casos urgentes de doentes já internados”.

Há cerca de dois meses, em dezembro de 2019, o Instituto Português do Sangue e Transplantação fez uma auditoria ao funcionamento do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, revela ainda o Público. Ao diário, o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra diz ainda que a Unidade de Transplantes Hepáticos está a ser “reestruturada”, de modo a oferecer aos doentes “melhores condições de resposta”.