Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Desde setembro do ano passado que não são admitidos novos doentes nas listas de espera para transplantes de fígado, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). Os dados foram avançados ao jornal Público pelo Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), que os revela na edição de esta segunda-feira.

Segundo o diário português, que ouviu quer o conselho de administração do Centro Hospitalar quer o Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), há dois motivos distintos que explicam os cinco meses sem admissão de pacientes para transplantes hepáticos nesta unidade hospitalar. Uma é uma bactéria multiresistente que foi detetada na zona de internamento do CHUC e que levou à suspensão temporária da admissão de novos doentes — a situação foi resolvida ainda em 2019. A outra é a falta de recursos humanos da unidade, que leva a que só sejam feitos transplantes hepáticos em “casos urgentes de doentes já internados”.

Há cerca de dois meses, em dezembro de 2019, o Instituto Português do Sangue e Transplantação fez uma auditoria ao funcionamento do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, revela ainda o Público. Ao diário, o presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra diz ainda que a Unidade de Transplantes Hepáticos está a ser “reestruturada”, de modo a oferecer aos doentes “melhores condições de resposta”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR