Milhares de dadores estão a receber mensagens eletrónicas para os seus telemóveis (SMS) a pedir-lhes que vão dar sangue, numa altura em que o valor médio diário das reservas nacionais caiu quase 40% devido à pandemia e as necessidades estão a aumentar – e devem aumentar ainda mais com o desconfinamento gradual e com o retomar da atividade cirúrgica.

A notícia, avançada pelo Jornal de Notícias, baseia-se num alerta do Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST), que indicou que as suas colheitas – que representam mais de metade das feitas no país – caíram 30% em março e 33% em abril. Foi acionado a 16 de março o “alerta amarelo”, numa altura em que as reservas dão para entre cinco a sete dias.

Fonte do IPST admite que pode ser ativado o nível de alerta seguinte, conforme se desenrolar a situação nos próximos dias. O nível de alerta seguinte seria o “vermelho”, onde as reservas só chegam para três dias.