É uma resposta concreta aos desafios lançados ao setor da moda face à pandemia da Covid-19. No mesmo dia, e em sintonia nos planos, ficámos a saber que as próximas semanas da Moda masculinas de Paris e Milão vão decorrer apenas em formato online, à distância das habituais e bem povoadas assistências.

Quando aos desfiles saídos da capital francesa, estão agendados para os dias 9 a 13 de julho, anunciou esta quarta-feira a Federação de Alta Costura e Moda, que adiantou que as coleções de pronto a vestir primavera-verão para homem serão apresentadas “em formato de um filme ou vídeo”, numa plataforma digital específica.

Os desfiles das semanas da moda em Paris agendados para 23 e 28 de junho e 5 e 9 de julho foram anulados devido ao novo coronavírus, estando previstos para 22 a 28 de setembro, assim o permitam as diretivas no combate ao vírus. Certo é que a atual crise já começou a desencadear mudanças profundas no mundo da moda.

O diretor artístico da Saint Laurent, Anthony Vaccarello, já anunciou que a casa vai retirar-se da Moda Paris este ano, optando por criar e apresentar as suas coleções ao seu ritmo e privilegiar “a relação com as pessoas e o quotidiano”.

Também o criador italiano Giorgio Armani, que apresenta as suas coleções nas semanas da moda de Milão e Paris, já disse que pretende “suprimir o supérfluo”. Foi precisamente de Milão que veio mais uma aposta no conceito digital, com um evento já apelidado de Milano Digital Fashion Week, previsto para os dias 14 a 17 de julho, substituído assim a semana de moda de homem marcada para junho.

O foco da Câmara de Moda Italiana centra-se em conteúdos que terão transmissão através de plataformas como Instagram, Twitter ou YouTube.