Ninguém esperava que o mercado italiano não se ressentisse da profunda crise que assolou o país, devido ao coronavírus, mas poucos pensariam ser possível uma quebra de 97,5% nas vendas de automóveis novos. Abril surpreendeu os que assim pensavam, ao registar-se somente 2,5% do habitual volume de vendas, levando a indústria automóvel local e, sobretudo, o Governo a lidar com a maior crise de que há memória.

Se em Abril de 2019 os italianos adquiriram 174.925 veículos novos, qual não foi o espanto dos responsáveis do sector e dos governantes transalpinos, quanto este ano se transaccionaram somente 4209 unidades em Abril. Uma quebra impressionante.

No descalabro, serviu de magra consolação a queda menos acentuada dos veículos eléctricos, que atingiram um share de 12%, uma percentagem muito superior ao habitual. Por outro lado, os veículos com motor a gasóleo passaram a representar apenas 41% do total de vendas, com as motorizações a gasolina a passarem para 35%. Os híbridos a gasolina e diesel, além dos modelos bi-fuel a GPL, representam o resto dos veículos transaccionados.