Poucos dias depois de os voos domésticos terem sido retomados no Paquistão após dois meses de paragem na sequência da pandemia, um avião despenhou a poucos segundos de chegar à pista. Caiu numa zona residencial em Carachi, a cidade mais populosa do Paquistão. O número total de mortos ainda está por apurar. As causas do desastre aéreo também. Eis o que já se sabe.

O que se já se sabe

O avião caiu num bairro a 3,2 quilómetros do aeroporto. O aparelho é um Airbus A320 e pertence à companhia aérea Pakistan International Airlines (PIA). O voo PK 8303 tinha partido de Lahore, a segunda maior localidade paquistanesa, e caiu numa zona residencial em Carachi, a cidade mais populosa do Paquistão e a capital da província de Sinde. O voo tinha como destino final o Aeroporto Internacional de Jinnah, em Carachi, mas caiu quando estava prestes a chegar, depois de já ter tentado aterrar uma vez, num bairro localizado a cerca de 3,2 quilómetros. O acidente aconteceu por volta das 14h30 (10h30 em Lisboa).

Há 76 mortos até ao momento. O avião transportava 99 passageiros e oito tripulantes, segundo a BBC. Os dados mais recentes divulgados pelas autoridades de Saúde dão conta de que, pelo menos, 76 pessoas morreram, escreve a CNN. Só foi no entanto possível identificar dois cadáveres, devido ao facto de a grande maioria se encontrar carbonizada, adianta o The Guardian.

Antes de se despenhar, o avião destruiu pelo menos cinco ou seis casas, segundo revelou o presidente da câmara, Wasim Akhtar, pelo que, além das pessoas que estavam a bordo, o desastre pode também ter vitimado habitantes. Segundo Ministério da Saúde, sete moradores já foram levados para o hospital — seis deles estão em estado grave com queimaduras.

O piloto reportou problemas técnicos. Durante o voo, o piloto entrou em contacto com a central para dar conta de alguns problemas técnicos, referiu Abdul Sattar Khokhar, porta-voz da autoridade nacional de aviação paquistanesa, à CNN. O suposto áudio da conversa entre o controlo de tráfego aéreo e um piloto para a segunda tentativa de aterragem foi publicado pelos média paquistaneses — nele é possível ouvir o piloto a dizer que o avião “perdeu motores”, detalha a BBC. Nas imagens entretanto divulgadas, é possível ver os dois motores parecem ter ardido, nota a BBC.

O avião estava em condições de voar. A companhia aérea já veio esclarecer que o avião se juntou à frota em 2014 e recebeu uma verificação pela última vez a 1 de novembro de 2019, tendo recebido o comprovativo de estar em condições de voar.