Amadora, Sintra, Lisboa, Loures e Odivelas continuam a ser os concelhos atualmente mais afetados pela pandemia, todos eles inseridos na Área Metropolitana de Lisboa. Sintra é o que mais tem crescido em número de novos casos, enquanto a Amadora se destaca por ser o concelho com maior incidência do vírus por 100 mil habitantes.

Depois dos rastreios setoriais — cerca de 14 mil testes realizados entre o final de maio e o início de junho e que, numa fase inicial, permitiram concluir que 10% dos casos estavam na construção civil –, é com um trabalho de proximidade, mais rápido, e que envolve as estruturas locais que as autoridades de saúde estão agora a trabalhar para conter a Covid-19 na região. Isto na semana em que Marta Temido anunciou a criação do Gabinete Regional de Intervenção para a Supressão da Covid-19.

Grande Lisboa tem surtos ativos em 13 freguesias. Festas dos santos populares estão expressamente proibidas

A atual situação epidemiológica exige que também as forças de segurança reforcem a vigilância, sobretudo em altura de feriados e festas populares. Segundo noticia este sábado o Expresso, na última semana, a PSP foi chamada a intervir no bairro de Casal da Mira, na Amadora, onde decorria uma festa ilegal. Na Brandoa, no mesmo concelho, uma turma inteira da Escola Fernando Namora foi posta em quarentena e o McDonalds encerrado, depois de duas alunas também terem participado numa festa.

Segundo o mesmo jornal, só na passada terça-feira, as autoridades de saúde encerraram 22 cafés e estabelecimentos de take-away de modo a evitar aglomerados de pessoas. Já foram identificados 47 jovens em ajuntamentos, a consumirem bebidas alcoólicas, avança o mesmo jornal.

Em Sintra, onde a ministra da Saúde indicou haver ainda cinco surtos ativos em lares, apenas três das 11 freguesias do concelho registam menos de 100 casos de infeção pelo novo coronavírus segundo indicou o vereador Eduardo Fonte Nova ao Expresso. Nesta nova fase de luta contra a pandemia, também as autarquias passaram a ter acesso diário à geolocalização dos casos por freguesias, ruas e prédios.

A ferramenta possibilita o acompanhamento caso a caso, como tem feito a Câmara Municipal de Loures, que, recentemente, levou a cabo mais de 700 testes nos principais focos de infeção do concelho, como é o caso das freguesias de Camarate e Apelação e Sacavém e Pior Velho. Segundo o presidente, Bernardino Soares, a fatia de casos positivos nos primeiros dias foi de 20%. Ao acompanhamento sanitário acresce o apoio social, tendo em conta as condições de pobreza em que vive a maioria da população em causa.

Odivelas parece ser agora o concelho que tem a situação sob controlo, com menos de 160 casos ativos e as cadeias de contágio já identificadas na construção civil e entre funcionários de empresas de trabalho temporário.