O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou que os protestos contra o racismo e a violência policial, que decorreram nas últimas semanas nos Estados Unidos da América, refletem “profundas crises internas” do país.

“É claro que o que aconteceu [nos Estados Unidos] é a expressão de profundas crises internas”, considerou Putin, numa entrevista transmitida este domingo pela emissora pública da Rússia e citada pela agência France-Presse (AFP).

O governante notou que a legitimidade do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tem sido questionada desde as eleições, lamentando que os interesses partidários estejam a ser colocados acima dos interesses da sociedade.

Para Vladimir Putin, a Covid-19 fez emergir um conjunto de problemas nos Estados Unidos, o que, segundo o mesmo, contrasta com a realidade vivida na Rússia, que está a superar a pandemia com “perdas mínimas”, o que justificou com a coordenação entre o Presidente, o Governo e as diversas regiões do país.

As forças de polícia norte-americanas têm sido alvo de críticas não só pela morte do afroamericano George Floyd durante uma operação de detenção, mas também devido ao uso da força para reprimir os protestos antirracismo decorrentes, nomeadamente o recurso a gás lacrimogéneo a balas de borracha.

Floyd, cujo funeral foi realizado na terça-feira, gritou que não conseguia respirar quando um polícia branco em Minneapolis pressionou o pescoço do homem com o joelho. As mesmas palavras foram usadas por Eric Garner em 2014, quando estava a ser controlado pela polícia, tendo morrido como consequência.

A morte de Floyd, capturada em vídeo, provocou manifestações em várias partes dos Estados Unidos e no estrangeiro e reacendeu o debate sobre o excesso de força policial e o racismo dentro nas forças de segurança.