Aos 18 anos, Miguel Stilwell de Andrade foi para a Escócia estudar engenharia mecânica, mas foi na área de gestão que fez carreira. Chegou à EDP pouco antes de completar 24 anos, ainda sem formação como gestor (adquiriu-a pouco depois com um MBA no prestigiado MIT — Massachusetts Institute of Technology, nos Estados Unidos). Cinco anos após chegar à elétrica, passava a liderar a área para a qual foi inicialmente contratado. Com a suspensão de funções de António Mexia enquanto presidente executivo da EDP, Miguel Stilwell de Andrade, até aqui administrador financeiro, de 43 anos, passa a ser o chiefexecutiveofficer (CEO) interino da empresa.

Participou diretamente “nas diferentes fases de privatização da EDP” e teve em mãos a oferta pública de aquisição lançada pela China Three Gorges, que acabou por falhar. Defende a presença de matemáticos nos quadros da EDP e um maior “enfoque na eficiência energética”. Conheça cinco factos sobre o novo líder executivo interino da elétrica.

Foi viver para fora aos 18 anos. “É uma excelente forma de ganhar experiência”

Nasceu a 6 de agosto de 1976, em Lisboa. Aos 18 anos, foi estudar para a Universidade de Strathclyde, em Glasgow, na Escócia, onde se formou em engenharia mecânica. “Ter de se desenvencilhar a partir dos 18 anos é uma excelente forma de ganhar experiência”, disse, numa entrevista em 2012, à APDIO – Associação Portuguesa de Investigação Operacional.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.