A partir desta terça-feira a LUGGit, uma startup que desenvolveu uma app que permite a quem viaja requisitar alguém para recolher a bagagem, guardá-la e entregá-la no sítio e hora definidos, tem também uma área dedicada ao setor hoteleiro, que vai permitir que cada hotel tenha este serviço de recolha e entrega de bagagens aos hóspedes. A ideia desta nova plataforma web partiu também do contexto da pandemia de Covid-19, permitindo que todas as bagagens sejam higienizadas pela startup no momento de recolha e entrega.

“Em plena pandemia, percebemos não só a importância de inovar como também de garantir a segurança de todos os intervenientes. Por isso, a partir de hoje [terça-feira], os hotéis podem automatizar os seus processos, proporcionar melhores experiências e garantir, sempre, a segurança sanitária segundo as regras impostas pelas entidades competentes”, explica Ricardo Figueiredo presidente e cofundador da LUGGit, citado em comunicado.

O objetivo desta nova plataforma, acrescenta a startup, é “melhorar a experiência dos turistas que, por si só, já sentem algum desconforto com todas as medidas impostas quando saem e entram em algum país”. A nova solução pretende também otimizar os processos de check in check out dos hotéis, permitindo evitar aglomeração de hóspedes em espaços comuns e “encontrando também uma alternativa segura para as inúmeras solicitações de guardar as bagagens”.

Lançada em julho no ano passado em Lisboa e em outubro no Porto, a LUGGit angariou uma ronda de 400 mil euros com a Portugal Ventures, mas a pandemia de Covid-19 levou a um decréscimo de 100% do número de clientes da startup em março, uma vez que o setor do turismo foi dos mais afetados pela pandemia. Perante este cenário, a startup decidiu lançar o #WeMoveit, um movimento que permitiu à população portuguesa “em pleno estado de emergência dispor de um serviço que permitia enviar bens como medicamentos, alimentos ou roupa entre familiares, amigos ou até mesmo para associações de apoio a pessoas carenciadas”, sendo um dos projetos inseridos no movimento Tech4covid19.