Uma mulher da Amadora foi acusada pelo Ministério Público de um crime de mutilação genital feminina à filha nascida em 2017, comunica a Procuradoria-Geral Regional de Lisboa. O ato aconteceu entre o período de 4 de janeiro e 15 de março de 2019, “sem que para tal houvesse indicação médica em virtude de doença ou patologia clínica”, pode ler-se no site da PGR. Segundo a mesma nota, a mulher utilizou “um objeto de natureza corto-contundente” para cortar a “região vulvar da menor sabendo que com tal conduta mutilava a menor nos seus genitais, provocando-lhe dores, lesões e sequelas permanentes aptas a afetar a fruição sexual daquela”.

A arguida encontra-se a aguardar o julgamento em liberdade.

Em Lisboa, foram registados 129 casos de mutilação genital feminina em 2019, o dobro em relação a 2018.

Identificação de casos de mutilação genital feminina duplica na região de Lisboa em 2019