O avião que transportou o opositor do Presidente russo, Alexei Navalny, que se encontra em coma após suspeita de envenenamento, aterrou ao início da manhã deste sábado no aeroporto de Tegel, em Berlim, para ser tratado num hospital da capital alemã, confirmou à Associated Press a porta-voz de Navalny e um representante da ONG alemã que organizou o voo. Segundo os meios de comunicação alemães, o avião era para ter aterrado noutro aeroporto de Berlim.

“Navalny está em Berlim”, disse Jaka Bizilj da organização alemã “Cinema for Peace”, que organizou o transporte do político e ativista. “O estado de Alexei Navalny é estável”, afirmou pouco depois de o opositor do Presidente russo, Vladimir Putin, ter aterrado em solo alemão. De acordo com os seus colaboradores, Alexei Navalny chegou a Berlim acompanhado pela sua mulher, Julia Navalnaya.

Quem é Alexei Navalny, o opositor que Putin quer fora do caminho

De Tegel, Navalny foi transportado por uma ambulância do exército alemão para o hospital universitário Charité, onde deverá ser tratado.

“Neste momento, estão a ser efetuados testes extensivos para fazer um diagnóstico. Após os exames e em consulta com a família, os médicos darão informações sobre o diagnóstico e o tratamento a ser seguido”, anunciou o hospital, em comunicado, acrescentando: “O diagnóstico levará tempo, pelo que pedimos paciência”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O político e ativista anti-corrupção russo, internado desde quinta-feira em Omsk, na Sibéria, tinha sido transportado em ambulância para o aeroporto desta localidade, para ser transferido para a Alemanha. Os jornalistas da AFP no local testemunharam a saída de uma ambulância do estabelecimento hospitalar e a chegada pouco depois ao aeroporto, onde foi escoltada por uma comitiva da polícia, que entrou depois na pista de aterragem.

Os médicos do hospital de Omsk autorizaram na sexta-feira a transferência de Navalny para a Alemanha para receber tratamento a pedido da família, afirmando que o seu estado era “estável”, depois de inicialmente se terem oposto.

Navalny. Médicos dizem que não encontraram vestígios de veneno

A mulher do opositor pediu na sexta-feira ao Presidente russo, Vladimir Putin, que autorizasse a transferência do marido para a Alemanha, e a equipa de Navalny recorreu ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos para tentar conseguir autorização para o seu transporte para Berlim. A ONG alemã “Cinema for Peace”, encabeçada pelo produtor Jaka Bizilj, enviou um avião-ambulância, com uma equipa de médicos especializados no tratamento de doentes em coma, que aterrou na sexta-feira em Omsk.

Há dois anos, a organização levou a cabo uma ação semelhante, levando Pjotr Wersilow, membro do grupo Pussy Riot, também com sintomas de envenenamento, para Berlim. “Foi o mesmo caminho que percorri inconsciente há dois anos atrás”, disse Wersilow no Twitter. Wersilow também foi tratado na altura em Charité, tal como a ex-primeira-ministra ucraniana Julia Tymoshenko, que teve graves problemas espinais durante uma estadia na prisão, em 2014.

Governo alemão deseja que tratamento de Navalny em Berlim conduza a “uma cura completa”

Embora o transporte de Alexei Navalny para Berlim tenha sido uma iniciativa privada da “Cinema for Peace”, a Chanceler Angela Merkel já tinha dito que a Alemanha estava pronta para acolher o ativista e oferecer-lhe a assistência médica necessária. “A prioridade, evidentemente, é que a vida do Senhor Navalny possa ser salva e que a sua cura possa ser alcançada”, disse o porta-voz do governo alemão Stefen Seibert.

O gabinete de imprensa do governo alemão acrescentou este sábado que o executivo espera que “o tratamento de Alexei Navalny no hospital Charité conduza a uma melhoria do seu estado de saúde e torne possível uma cura completa”.

Na Sibéria, o político esteve internado numa unidade de cuidados intensivos, em coma e ligado a um ventilador, depois de se ter sentido mal durante um voo com destino a Moscovo. A sua equipa suspeita que possa ter sido vítima de envenenamento.

Artigo atualizado às 13h08 com novas informações acerca da chegada de Navalny a Berlim