Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Isabel dos Santos garante que nunca foi cliente de qualquer banco norte-americano, afirmando que é “falso e difamatório” que qualquer entidade bancária daquele país a tenha ajudado em “transferências associadas à sua família e ao Estado angolano”. A empresária angolana reagiu esta segunda-feira às recentes notícias que dão conta de que esteve envolvida numa investigação internacional a grandes bancos, afirmando igualmente que nem ela nem o seu marido, Sindika Dokolo, fazem “parte de qualquer esquema ilegal e/ou ilegítimo de circulação de fundos no sistema bancário internacional ou norte-americano”.

Segundo uma investigação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ), Isabel dos Santos e Sindika Dokolo estão entre os clientes confidenciais de bancos que foram reportados às autoridades norte-americanas. Segundo foi noticiado este fim de semana pelo Expresso, a filha do ex-presidente de Angola é alvo de dois relatórios enviados por entidade bancária ao FinCEN (Financial Crimes Enforcement Network), agência federal que faz parte do Departamento do Tesouro norte-americano. Em causa estarão alegadas atividades suspeitas e ambos os relatórios estão datados de 2013.

Isabel dos Santos e Sindika Dokolo envolvidos em investigação internacional aos grandes bancos

“Na qualidade de banco correspondente do banco BFA/BPI, o JPMorgan realiza pedidos de compliance regulares, solicitando informações sobre várias transações e de vários clientes do banco, o que é absolutamente normal. Em 2013, os pedidos de informação adicionais que suportavam estas transações foram solicitados pelos bancos e pelo supervisor e foram devidamente prestados. Foi, ademais, verificado que não existia nenhuma situação anómala nem nenhuma irregularidade e que se tratavam de pagamentos efetuados no âmbito de atividades comerciais ordinárias e correntes”, explicou a empresária angolana em comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A Engª. Isabel dos Santos nunca fez transferências associadas ‘à sua família’, sendo esta alegação falsa e difamatória. A Engª. Isabel dos Santos é uma empresária independente, não existindo nenhuma associação entre os seus negócios e a sua família. A empresária só representa os seus interesses próprios e de mais ninguém”, diz ainda, acrescentando: “Este esquema de lançar notícias e suspeitas para destruir a Engª. Isabel dos Santos e as suas empresas foi transformado numa arma de vingança e de acerto de contas”.

Referindo que as notícias recentes dão conta de transações com mais de sete anos, Isabel dos Santos conclui que a informação recentemente divulgada “é regurgitada e requentada e faz parte da campanha difamatória que continua a ser alimentada por aqueles que viram os seus rendimentos ilegítimos cortados na Sonangol quando […] ocupou o cargo de PCA de junho de 2016 a novembro de 2017″