A empresa que assegura a limpeza dos aviões da TAP no aeroporto de Lisboa, a ISS Facility Services, notificou esta quarta-feira mais de 100 trabalhadores encarregues dessa tarefa de que iriam ser despedidos.

As notificações foram entregues diretamente aos trabalhadores incluídos no despedimento coletivo, no seu local e horário de trabalho.

A carta, a que agência Lusa teve acesso, tinha como objetivo “a comunicação de intenção da ISS Facility Services — Gestão e Manutenção de Edifícios, Lda de proceder a um despedimento coletivo”.

De acordo com o documento, os trabalhadores notificados estão dispensados de comparecer ao serviço a partir de esta quarta-feira e até à conclusão do processo de despedimento coletivo, “sem perda de retribuição ou qualquer outro direito”. Ao abrigo do Código do Trabalho, os trabalhadores notificados têm cinco dias úteis para designar uma comissão que os represente na discussão deste despedimento coletivo junto da empresa.

Um dos trabalhadores que recebeu a comunicação de despedimento disse à agência Lusa que foram notificados 116 trabalhadores, entre eles alguns casais, com o argumento da redução da operação da TAP devido ao impacto da pandemia de Covid-19.

A notificação escrita entregue ao trabalhadores a despedir foi acompanhada de um anexo com cerca de 70 páginas, com informação sobre os motivos do despedimento coletivo, os critérios de seleção dos trabalhadores a despedir e o método de cálculo das compensações, entre outros.

O Sindicato dos Trabalhadores das Atividades Diversas vai promover no sábado um encontro com os trabalhadores para analisarem a situação e decidirem as medidas a tomar.

As medidas para combater a pandemia de Covid-19 paralisaram setores inteiros da economia mundial e levaram o Fundo monetário Internacional (FMI) a fazer previsões sem precedentes nos seus quase 75 anos: a economia mundial poderá cair 4,9% em 2020, arrastada por uma contração de 8% nos Estados Unidos, de 10,2% na zona euro e de 5,8% no Japão.

Para Portugal, a Comissão Europeia prevê que a economia recue 9,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, uma contração acima da anterior projeção de 6,8% e da estimada pelo Governo português, de 6,9%. O Governo prevê que a economia cresça 4,3% em 2021, enquanto Bruxelas antecipa um crescimento mais otimista, de 6%, acima do que previa na primavera (5,8%) A taxa de desemprego deverá subir para 9,6% este ano, e recuar para 8,7% em 2021.

Em consequência da forte recessão, o défice orçamental deverá chegar aos 7% do PIB em 2020, e a dívida pública aos 134,4%.

Os efeitos da pandemia já se refletiram na economia portuguesa no segundo trimestre, com o PIB a cair 16,5% face ao mesmo período de 2019, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). A pandemia de Covid-19 já provocou mais de um milhão e cinquenta e um mil mortos e mais de 35,8 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP. Em Portugal morreram 2.040 pessoas dos 81.256 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.