Milhares de pessoas nas Filipinas foram obrigadas esta quarta-feira a deixar as suas casas devido à ameaça de um terceiro tufão em três semanas.

A tempestade Vamco deve atingir a ilha de Catanduanes, devastada há menos de duas semanas pelo tufão Goni, antes de chegar esta quarta-feira à noite ou quinta-feira de manhã à ilha de Luzon, a mais populosa do arquipélago, onde se localiza a capital do país, Manila.

Esperam-se ventos destrutivos e chuvas torrenciais em partes do centro e do sul de Luzon, segundo a agência meteorológica filipina.

Cerca de 50.000 pessoas que vivem na zona de trajetória do tufão receberam ordem para abandonar o domicílio, disse Alexiz Naz, porta-voz regional da defesa civil.

A região de Bicol, situada a sul da ilha de Luzon e que deve ser atingida pelo Vamco quando este se dirigir para Manila, ainda não recuperou da recente passagem dos tufões Molave e Goni, que deixaram milhares sem casa.

Partes desta região continuam sem eletricidade e com grandes limitações ao nível das telecomunicações mais de 10 dias após a passagem do Goni.

Este tufão, o mais poderoso dos registados este ano, destruiu milhares de habitações e provocou inundações. Cerca de 400.000 pessoas foram retiradas das suas casas antes da chegada da tempestade, o que permitiu salvar numerosas vidas.

Na ilha de Catanduanes os esforços para retirar as pessoas confrontam-se com a dificuldade de centros de abrigo de emergência terem sido destruídos pelo Goni.

O tufão Vamco deve ser acompanhado de rajadas de vento que podem atingir os 130 a 155 quilómetros por hora antes de tocar terra, segundo os serviços meteorológicos.

Em Manila e nas regiões vizinhas são esperadas chuvas fortes que podem causar inundações e deslizamento de terras.

Uma média de 20 tempestades e tufões atingem as Filipinas anualmente, devastando colheitas e infraestruturas e contribuindo para manter milhões de pessoas na pobreza.