Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Há mais de 56 startups portuguesas que se têm dedicado ao desenvolvimento de novas soluções que visam combater os desafios do sistema de saúde a nível global. Esta é uma das conclusões do Mapa da Inovação nos Cuidados de Saúde em Portugal, que vai ser lançado pelo EIT Health, em 2021, que foi discutido durante a conferência “Inteligência Artificial em Saúde: uma perspetiva  de Portugal”.

O EIT Health é uma rede europeia, e uma das maiores parcerias público-privadas da Europa no campo da inovação em saúde, que junta 150 parceiros, como empresas, universidades, centros de pesquisa e desenvolvimento, além de hospitais e instituições de saúde. Uma das conclusões deste mapa revela que a tecnologia portuguesa tem estado na linha da frente do combate à pandemia, com 56 startups portuguesas que contribuem com tecnologia para a saúde digital. A estas junta-se ainda um conjunto de projetos piloto entre instituições de saúde, universidades e  tecnológicas.

Entre os projetos portugueses já implementados encontra-se, por exemplo, a ADAPTT, uma ferramenta gráfica desenvolvida pela Glintt, que permite recolher e atuar sobre a  informação relativa ao número de camas de hospitais para diferentes níveis de intervenção.

No Porto, a trabalhar diretamente com o Hospital de São João, está outro projeto, uma startup que saiu da Universidade do Porto, a iLof, que usa a inteligência artificial para pré-diagnosticar doenças a partir de uma amostra de sangue. O projeto começou por focar-se na doença de Alzheimer mas está, desde 2020, também dedicado a apoiar e prever complicações de doentes com Covid-19.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“A inovação nesta área não  pode ser feita sem uma estreita colaboração entre universidades, startups e  tecnológicas — do lado da inovação — e dos hospitais, organismos públicos e pagadores — do lado dos utilizadores. A criação destas soluções em conjunto com os profissionais de saúde e também com os cidadãos, é essencial para  criar valor e impacto claro, que depois deve ser acompanhado pelas estruturas”, explicou Miguel Amador, responsável pelo EIT Health em Portugal.

Durante a conferência desta quinta-feira foram apresentados projetos de telemedicina, numa parceria entre a  Fraunhofer Portugal e os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS), por exemplo. Foram partilhados mais de 20 projetos.