O irmão do ex-presidente Abdelaziz Bouteflika e outras três pessoas – os generais Mohamed Mediène e Athmane Tartag e a militante ‘trotskista’ Louisa Hanoune – tinham sido condenados a 15 anos de prisão por “conspiração contra o Estado e o exército”. Foram agora todos absolvidos por um tribunal militar.

Segundo fonte judicial, Said Bouteflika, que era também conselheiro do antigo presidente, vai ser transferido para outra prisão enquanto aguarda o desfecho na justiça de outros casos ligados a corrupção durante os 20 anos em que o irmão esteve no poder.

Além de Bouteflika, os generais Mohamed Mediène e Athmane Tartag, bem como a militante ‘trotskista’ Louisa Hanoune, condenados neste caso, foram absolvidos pelo tribunal militar de Blida, perto de Argel, após terem recorrido, segundo o advogado de defesa Khaled Berghel, citado pela agência noticiosa APS.

Detidos em maio de 2019, os quatro acusados tinham sido condenados em setembro do mesmo ano a 15 anos de prisão, num julgamento por “conspiração contra a autoridade do Estado e do exército”.

“Após deliberação, o tribunal (…) anunciou a decisão de anular a sentença de primeira instância e absolver todos os acusados”, disse o advogado.