Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O alerta foi dado perto das 4h da madrugada deste domingo, 24 de janeiro, quando a polícia de Indianapolis recebeu um telefonema a reportar um tiroteio. Antes de chegarem à casa onde haviam de descobrir uma família inteira morta, incluindo uma mulher grávida, as autoridades encontraram um rapaz, cuja idade e identificação não foram ainda reveladas, caído nas imediações, com ferimentos de bala. Transportado para o hospital em estado crítico, o rapaz, que tudo aponta para que tenha conseguido escapar da casa onde tudo aconteceu, deverá sobreviver, já avançou a CNN. As outras cinco pessoas foram chacinadas, naquele a que Joe Hogsett, o mayor da cidade, capital do estado americano do Indiana, já descreveu como um “homicídio em massa”.

“O que aconteceu esta manhã foi um homicídio em massa, a escolha de um indivíduo ou de vários indivíduos para trazer — e não uso estas palavras de ânimo leve — terror à nossa comunidade”, disse o autarca, citado pelo New York Times.

As vítimas mortais foram Kezzie e Raymond Childs, ambos de 42 anos, os filhos adolescentes, Elijah e Rita, de 18 e 13, e Kiara Hawkins, de 19 anos, grávida. De acordo com as autoridades, apesar de todos os esforços, o bebé, cuja idade gestacional não foi ainda revelada, também acabou por morrer.

“O que vimos esta manhã foi um tipo diferente de maldade”, lamentou entretanto Randal Taylor, o chefe da polícia local. “Não há palavras certas para dizer neste momento. Eu próprio estou de coração partido pelas vidas que foram tiradas demasiado cedo, pela vida jovem que mudou para sempre e pela vida jovem que nunca teve oportunidade de começar, pelo bairro que vai ter de apanhar os pedaços deixados por esta violência sem precedentes e por toda a família e amigos que foram abalados pela dor.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O tiroteio, o maior em número de vítimas nos últimos dez anos na cidade de Indianapolis, apontou também a polícia, está agora a ser investigado, mas para já as autoridades estão a partir do princípio de que houve mais do que um atirador — e que o crime “não parece ter sido aleatório”.

Como realça o Indianapolis Star, o tiroteio da madrugada deste domingo na casa da Adams Street foi só um dos seis que aconteceram na cidade, no espaço de apenas cinco horas — sete outras pessoas foram hospitalizadas com ferimentos. Esta noite, particularmente sangrenta, teve lugar poucos dias depois de mayor e autoridades policiais se terem reunido para discutir um plano de ação para reduzir os índices de criminalidade e violência na cidade — ao longo de 2020 foram 245 as pessoas assassinadas em Indianapolis, um aumento de 40% relativamente ao ano anterior.