Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A autoridade federal alemã para o transporte rodoviário, a KBA, tornou público uma chamada à oficina – que a marca já está a operacionalizar – para 545.000 unidades de BMW Série 3, todas elas a apresentar risco de incêndio. Quem o anuncia é a imprensa alemã, que revela ainda que deste mais de meio milhão de automóveis, 430.000 foram comercializados na Alemanha.

O recall foi tornado público pela KBA em meados de Janeiro e, segundo a BMW, a reparação, que será obviamente gratuita para os proprietários, envolve a verificação da ficha de ligação do ventilador que fornece o fluxo de ar aos sistemas de ventilação e ar condicionado. Segundo a descrição, em certas condições há o risco de determinados cabos eléctricos serem descarnados por fricção entre eles. A KBA afirma que esta deterioração pode conduzir a um excesso de temperatura que pode provocar um curto-circuito e, de seguida, um princípio de incêndio.

Os veículos que podem estar equipados com ligação defeituosa são os fabricados entre 2006 e 2012, com este recall a estar relacionado com outro verificado em 2017 nos EUA, onde a entidade competente, a NHTSA, obrigou a BMW a reparar 702.965 mil veículos produzidos entre 2006 e 2011. Também aí a justificação avançada para a chamada à oficina foi a possibilidade de risco de incêndio motivado pelo aquecimento dos cabos eléctricos e fichas no sistema que controlam a ventilação e ar condicionado.

A BMW, que já tratou dos veículos comercializados nos EUA e que agora está a tratar dos vendidos na Europa, acusa uma falha no serviço de controlo de qualidade de ser responsável pelos princípios de incêndio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR