Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Bentley anunciou que integra um consórcio de investigação e desenvolvimento com seis parceiros, cujo objectivo é fazer progredir a reciclagem de ímanes de terras raras, tendo em vista a sua reutilização em motores auxiliares (não de tracção).

Segundo o fabricante de Crewe, a pesquisa de três anos que “visa revolucionar a sustentabilidade dos motores eléctricos” vai partir de um trabalho da Universidade de Birmingham, para desenvolver um método de extracção de ímanes de resíduos de aparelhos electrónicos. A intenção do consórcio é reaproveitar o material magnético extraído, usando-o na produção de “novos ímanes recicláveis para utilização em motores auxiliares específicos”.

Por um lado, o estudo pretende resultar num novo processo de reciclagem que se constitua como uma fonte sustentável de ímanes de terras raras e, por outro, deverá também conduzir à simplificação do fabrico de motores eléctricos auxiliares, colocando o Reino Unido no mapa da sustentabilidade. Por esta razão, a pesquisa – denominada RaRE (reciclagem de terras raras para máquinas electrónicas) – é financiada pelo Office for Zero Emission Vehicles e desenvolvida em parceria com a Innovate UK, tal como já acontece com o projecto Octopus da Bentley, que continuará a decorrer em paralelo, com vista a conceber um eixo electrónico integrado sem o recurso a ímanes de neodímio, para suportar arquitecturas de veículos eléctricos.

A meta do RaRE está fixada em 2026, ano em que se espera que seja possível concretizar a primeira aplicação do novo processo de reciclagem. “À medida que aceleramos a nossa jornada para a electrificação, oferecendo apenas veículos híbridos ou eléctricos até 2026 e totalmente eléctricos até 2030, é importante que nos concentremos em todos os aspectos da sustentabilidade do veículo, incluindo métodos sustentáveis de obtenção de materiais e componentes”, referiu Matthias Rabe, membro do Conselho de Engenharia da Bentley. “O RaRE promete uma mudança radical na reciclabilidade eléctrica, sendo uma fonte para motores de baixa tensão, produzidos à medida para uma série de aplicações diferentes, e estamos confiantes de que os resultados fornecerão uma base para tipos de propulsão eléctrica totalmente sustentáveis”, acrescentou.

Além da universidade inglesa e da Bentley, o projecto envolve ainda a Hypromag, a Unipart Powertrain Applications, a Advanced Electric Machines Research e a Intelligent Lifecycle Solutions. À primeira cabe converter os elementos extraídos em ímanes sintetizados, enquanto a segunda tratará de assegurar a viabilidade do processo para a produção automóvel de grande volume. O desenvolvimento dos motores fica a cargo da Advanced Electric Machines Research, com a Intelligent Lifecycle Solutions a assegurar o pré-processamento dos resíduos electrónicos, de modo a retirar os ímanes de terras raras para os enviar à Hypromag. “As tecnologias de reciclagem da Hypromag permitem-nos produzir ímanes de NdFeB com um custo de carbono muito mais baixo do que usando fornecimento virgem, com independência do fornecimento chinês”, destaca o director de Operações da empresa, Nick Mann.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR