Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi adiada a 56ª edição da ModaLisboa. Marcado para decorrer entre os dias 10 e 14 de março e num formato exclusivamente digital, a organização não recebeu um parecer positivo por parte da DGS, o que acabou por ditar o adiamento das apresentações dos 25 designers com lugar no calendário.

“O parecer diz que a ModaLisboa é lida como um evento, que tem um potencial de comunicação muito grande e que a situação epidemiológica ainda não desceu o suficiente. É mais pedagógico comunicarmos que, por solidariedade, não o devemos fazer. E essa comunicação tem um peso para o país”, explica Eduarda Abbondanza, presidente da ModaLisboa, ao Observador. As novas datas são agora entre os dias 15 e 18 de abril.

A mesma responsável fala num primeiro pedido de parecer submetido à DGS há mais de um mês. Perante a primeira resposta, a organização sentiu necessidade de enviar uma nova versão, mais detalhada. “O discurso era sempre em relação ao evento e nós só íamos fazer filmagens”, refere. A segunda resposta da Direção-Geral da Saúde evocou uma “questão de mensagem”, agora acatada pela organização. Abbondanza fala em “empatia” para com a decisão.

Sem público e transmitidos online, os desfiles seriam gravados durante o próximo fim de semana, no Pátio da Galé, em Lisboa. Segundo apurou o Observador em fevereiro, a produção envolvia as habituais equipas de bastidores e um casting de manequins, embora o número de pessoas tivesse sido reduzido de forma a minimizar o risco de contágio. Estava ainda prevista a testagem de todos os profissionais envolvidos nas filmagens.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“É uma questão simbólica, mas também de precaução, até porque continuamos a juntar pessoas. Mesmo assegurando todos os cuidados, não podemos afirmar que não existe risco”, afirma Abbondanza. A 56ª edição da ModaLisboa fica agora adiada para depois da Páscoa, mantendo o formato totalmente digital já divulgado. “A ModaLisboa faz 30 anos e é a primeira vez que não cumprimos com os calendários internacionais, mas estamos a dar o nosso contributo para um desconfinamento mais otimizado e consciente”, remata.

“Vamos seguir o plano que está no orçamento”, afirma. Questionada sobre eventuais derrapagens, Eduarda Abbondanza acredita que não serão expressivas — “metade dos conteúdos” já está feita e muitas das adjudicações foram feitas já a prever alterações de data.

Contactada esta terça-feira pelo Observador, a organização do Portugal Fashion afirmou estar ainda a ultimar o plano de contingência, que deverá ser submetido à DGS ainda esta semana. Esta edição está marcada para o fim de semana de 18 a 20 de março e será também exclusivamente digital.