Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Ao fundo do palco, uma casa de pés de madeira altos, aparentemente frágil, onde cabem tecidos, portas, instrumentos musicais. Cá em baixo, nas duas laterais, os intérpretes perfilam-se, antes de iniciarem um desfile estranho, um movimento que depressa denuncia que estas figuras não são bem humanas, movem-se de outra maneira, mais próxima dos abutres. O som é encantatório, que sugere vida sem velocidade, uma quase-dança que só aqui existe.

Estamos, afinal de contas, num novo território criado pelo Teatro Griot, estamos n’O Riso dos Necrófagos, título do novo espectáculo da companhia (que está em cena na Culturgest de terça a sexta, às 20h), que gerou um programa que ultrapassa o palco e que se compõe por uma conversa online entre Zia Soares e Raquel Lima, investigadora de estudos pós-coloniais chamada Que Ritual Entre a Vida e a Morte? E ainda Utopia Machim — Resistência no Lugar dos Tempos, a decorrer dia 27 de Abril, às 18h30, na Culturgest, com moderação e intervenção de Beatriz Gomes Dias (professora e deputada no Assembleia da República eleita pelo Bloco de Esquerda, bem como candidata do mesmo partido à Câmara Municipal de Lisboa para as próximas eleições autárquicas), Inocência da Mata (professora e investigadora são-tomense do Centro de Estudos Comparatistas da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa), Miguel de Barros (sociólogo guineense e membro do Conselho para o Desenvolvimento da Investigação em Ciências Sociais em África) e António Pinto Ribeiro (investigador e programador cultural, que tem seguido o trabalho do Griot desde o início).

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.