Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Cinco dias depois de ter sido promovido pelo secretário geral da ONU António Guterres, Fabrizio Hochschild Drummond foi mandado para casa em licença administrativa (remunerada). É que, naqueles dias de janeiro, tinham caído no seio da organização pelo menos três queixas contra ele por abuso de poder e assédio que tinham que ser investigadas. Agora o jornal Político vem dizer que essas queixas eram já do conhecimento do gabinete de Guterres e que terão sido ignoradas aquando a nomeação.

Fabrizio Hochschild Drummond foi promovido a Enviado de Tecnologia pelo secretário geral da ONU, António Guterres, como dava conta a própria organização no seu site. Dias depois a Reuters noticiava o seu afastamento por causa de três queixas contra ele por abuso de poder e assédio. As denúncias foram feitas por três mulheres ao Escritório de Serviços de Supervisão Interna (OIOS) nos dois meses anteriores, reportando-se ao seu comportamento em 2019 e 2020. Acusavam-no de criar um ambiente de trabalho tóxico por meio de bullying, explosões agressivas, comentários inadequados, telefonemas e mensagens a qualquer hora, disseram as três fontes à Reuters.

Hochschild assumiu à data ter sido foi informado das queixa se prometeu cooperar com a investigação. “Fui informado da existência deles, mas ainda não fui informado de forma alguma sobre o que estão alicerçados ou qualquer outra coisa específica. Estou a saber disso pela imprensa” respondeu à data à Reuters “Cooperarei totalmente com qualquer consulta da OIOS assim que for contactado”, garantiu.

Agora uma investigação recente do Politico veio demonstrar que essas queixas foram dadas a conhecer ao gabinete de Guterres antes da nomeação e que esta podia ter sido evitada. O Político concluíu que pelo menos um membro da equipa sénior de Guterres estava ciente de que estas queixas formais estavam prestes a ser apresentadas contra Hochschild por uma de suas ex-subordinadas mais de um mês antes da promoção.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Isso mesmo consta de um e-mail em que um ex-membro da equipa de Hochschild procurou aconselhar-se junto de um membro próximo do chefe de gabinete de Guterres sobre como devia fazer para reclamar. Mas Guterres sempre afirmou que só o soube após a nomeação.

Estas mulheres queixam-se de terem sido intimidadas através de linguagem abusiva, exigindo telefonemas tarde da noite e fins de semana, e comentários de Hochschild dizendo que seu escritório não queria que funcionárias engravidassem.

Em 2019, um em cada três funcionários e contratados das Nações Unidas disseram que foram assediados sexualmente nos últimos dois anos, de acordo com uma ONU.  Através de um porta-voz, Guterres já disse que leva a questão a sério e que agiu imediatamente para colocar Hochschild de licença até tudo estar resolvido.