Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Lamborghini é o único construtor que mais facilmente consegue rivalizar com a Ferrari, tradicionalmente apontada como uma das marcas mais rentáveis do mercado. Vende poucas unidades, necessita de grandes investimentos para se manter na liderança tecnológica, mas possui uma série de clientes dispostos a investir vários milhões de euros para conquistar o direito de serem proprietários de um dos modelos que exibe o touro da Lamborghini.

A Volkswagen AG não pensa assim, daí que vários órgãos de informação – com boas ligações ao grupo alemão – tenham avançado com a possibilidade de a Lamborghini estar à venda. E nem sequer é a primeira, pois já o mesmo se disse da Bugatti, Bentley e Ducati. Menos mal que o mercado vê cada um destes construtores como um negócio interessante.

VW quer financiar-se com venda da Porsche em bolsa

Embora o Grupo VW tenha afirmado recentemente à CNN que a Lamborghini não estava à venda, não parece ter sido muito convincente, pois apenas levou o potencial comprador, o Grupo Quantum, a subir a oferta. Se de início foram oferecidos 7,5 mil milhões de euros, o que a VW recusou, a Quantum elevou a parada primeiro em mais 1000 milhões e agora em 2000 milhões, de acordo com a Automotive News, o que coloca a proposta nos 9,5 mil milhões de euros, o equivalente a 11,6 mil milhões de dólares.

A possibilidade de vender a Lamborguini, numa fase em que este construtor consegue ser um dos mais rentáveis do grupo, batendo a própria Porsche, não parece fazer de momento grande sentido, especialmente desde que também a marca italiana passou a oferecer um SUV, o Urus, o modelo mais vendido da casa. Mas a realidade é que o grupo alemão já colocou a hipótese de lançar a Porsche em bolsa para obter o financiamento de que necessita para investir na mobilidade eléctrica, de acordo com a imprensa germânica.