Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Em ritmo de celebração do 100º aniversário, a Mazda confirma que este ano vai colocar quase todas as suas fichas nos SUV, com ênfase no CX-5 e no CX-30. A estratégia passa igualmente pela aposta na mais recente versão do e-Skyactiv-X, que agora surge electrificado com recurso a uma solução mild hybrid a 48V.

O motor e-Skyactiv-X mantém a solução desenvolvida pela Mazda que permite a esta unidade motriz trabalhar como um motor a gasolina, quando se necessita de mais potência, e como um diesel sempre que se pressiona menos o acelerador. A tecnologia que assegura este aparente milagre é denominada Spark Controlled Compression Ignition, uma solução que visa atingir taxas de compressão mais elevadas, para extrair mais potência, e misturas ar/gasolina mais pobres, para reduzir emissões de CO2 e consumos.

A adopção do pequeno motor eléctrico do sistema mild hybrid a 48V – que faz de gerador, de motor de arranque e ainda ajuda o motor de combustão –, permite reduzir o CO2 lançado para a atmosfera. Segundo o construtor nipónico, que comercializa globalmente cerca de 200.000 unidades por ano, o e-Skyactiv-X permite cortar de 131 para 121g de CO2/km a emissão de gases com efeito estufa. Face à versão já conhecida, esta nova unidade com 2.0 litros ganha potência e força, passando a debitar 184 cv e 240 Nm.

O próximo ano promete ser mais animado em termos de vendas, pois passarão a estar disponíveis os novos Mazda 2 e Mazda 6, sendo pena que o CX-3 continue a não ter uma motorização adaptada à fiscalidade portuguesa, fruto de montar um motor 2.0, demasiado grande para o pequeno SUV. Até 2030, a Mazda vai apostar de forma mais evidente na electrificação, tanto através de híbridos, como de híbridos plug-in e 100% eléctricos.

Curiosamente, a marca nipónica figura entre os fabricantes que defendem os e-fuel, vulgarmente denominados combustíveis sintéticos, solução que tem nos construtores alemães os seus principais defensores. Para a Mazda, os e-fuel poderão ser uma solução para automóveis, sobretudo os antigos já em circulação, mas igualmente para camiões, aviões e navios.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR