Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A criação do Novo Banco e a sua venda em 2017 acabaram por ser uma “história de sucesso” depois da “tragédia” que foi a gestão do Banco Espírito Santo no tempo de Ricardo Salgado, defendeu o presidente não executivo do BPI, Fernando Ulrich, esta terça-feira no Parlamento.

A opinião manifestada por Ulrich não estará em grande sintonia com a da maioria dos deputados da comissão parlamentar de inquérito às perdas do Novo Banco imputadas ao Fundo de Resolução, um objeto que vai no sentido contrário do que defendeu o banqueiro. Ulrich foi chamado como perito do setor bancário por um grupo parlamentar, o PSD, e só este e o PS colocaram perguntas ao homem que foi presidente executivo do BPI até 2017 e que tem sido uma presença frequente em inquéritos parlamentares à banca.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.