Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

É mais um capítulo na nova era do turismo espacial: a SpaceX acabou de lançar a primeira missão espacial tripulada exclusivamente por civis. Os quatro participantes da missão Inspiration 4 partiram do Complexo de Lançamentos 39A da NASA na Florida às 01h02 de Portugal Continental. A missão atingiu a órbita pretendida oito minutos e 45 segundos após o lançamento. Todo o evento está a ser transmitido através da página de YouTube da SpaceX, a que pode assistir neste artigo.

O primeiro estágio do foguetão já regressou a Terra e aterrou com sucesso na plataforma “Just Read The Instructions” da SpaceX, na costa do estado da Florida, no Oceano Atlântico. O segundo estágio também está de regresso. Reveja no vídeo aqui em baixo o lançamento do Falcon 9 com a missão Inspiration 4 a bordo e clique aqui para saber que parte do planeta está o Dragon a sobrevoar (sim, Portugal está na rota dele).

Desde a última missão de reparação ao Telescópio Espacial Hubble, em 2009, que ninguém atinge altitudes como as que a missão Inspiration 4 pretende alcançar: 575 quilómetros acima do nível médio da água do mar, acima da Estação Espacial Internacional (420 quilómetros) e do Hubble (540 quilómetros). É nessa altitude que os quatro astronautas amadores ficarão oito horas e 45 minutos depois do lançamento e durante três dias. Orbitarão a Terra uma vez a cada 90 minutos. Durante esse tempo, 90% do planeta terá vista direta para o Crew Dragon “Resilience”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Embora a NASA não tenha participado diretamente nesta missão, a agência espacial norte-americana não deixou de louvar a iniciativa: “A Inspiration 4 incorpora a nossa visão para um futuro em que as empresas privadas podem transportar carga e pessoas para a baixa órbita terrestre. Mais oportunidades de voar são mais oportunidades para a ciência”.

Os desafios técnicos são muito superiores aos que enfrentaram os tripulantes dos passeios espaciais de Richard Branson com a Virgin Galactic e de Jeff Bezos com a Blue Origin este verão. Os dois multimilionários ficaram-se pela fronteira da atmosfera terrestre com o espaço, tendo regressado a terra firme ao fim de alguns minutos. Com a SpaceX, esta missão implica o atingimento de altitudes muito superiores e a sobrevivência de três civis com treino básico de astronautas durante três dias numa pequena cápsula. Para a empresa de Elon Musk, também se alcança um novo marco: haverá três cápsulas Dragon, duas tripulada e outra com carga, no espaço. Aquela que continha carga e uma das Crew Dragon estão neste momento acopladas à Estação Espacial.

O mais famoso entre os tripulantes da missão é Jared Isaacman, diretor executivo da empresa de processamento de pagamentos Shift4 Payments que financiou todo o projeto. É ele o mais experiente em voos em altitude, mas nada comparado com a generalidade dos astronautas das maiores agências espaciais do mundo: é piloto de jatos, faz voos acrobáticos e fundou a maior empresa privada de força aérea do mundo, com o objetivo de vir a treinar militares dos Estados Unidos.

Inspiration 4. O que precisa de saber sobre a primeira missão espacial tripulada apenas por civis

Com Jared Isaacman vão viajar três pessoas: Hayley Arceneaux, uma médica do St. Jude Children’s Research Hospital que sobreviveu a um osteosarcoma quando era criança (será a primeira pessoa com uma prótese a viajar para o espaço); Chris Sembroski, um veterano de guerra que combateu no Iraque, trabalha na indústria aeroespacial e participou em campanhas de angariação de fundos para o St. Jude Children’s Hospital; e Sian Proctor, uma professora de geociência e comunicadora de ciência na área da exploração espacial, que será a primeira mulher negra a pilotar uma nave espacial. Cada um deles representa um pilar para a missão: Jared Isaacman é a liderança, Hayley Arceneaux representa a esperança, Chris Sembroski simboliza a generosidade e Sian Proctor a prosperidade.

Durante a sua estada de três dias no espaço, os quatro civis vão participar em experiências científicas realizadas em gravidade zero a bordo da cápsula Crew Dragon, batizada com o nome “Resilience” — em português, “Resiliência” —, mas o principal objetivo é sensibilizar a população mundial para a investigação na área da oncologia pediátrica e angariar mais 100 milhões de dólares para serem aplicados na investigação de tratamentos contra o cancro no St. Jude Children’s Hospital — ora através de doações diretas, ora através de leilões de objetos que viajarão com os astronautas nos próximos três dias. O valor pode ser doado aqui e juntar-se-á aos outros 100 milhões de dólares que Jared Isaacman já tem reservado para o projeto.