Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Google e a sociedade de capital de risco portuguesa Indico Capital Partners anunciaram esta quarta-feira quais são as startups escolhidas para o programa aceleração de empresas que têm em conjunto desde 2019. Às 20 entidades que já fazem parte deste projeto, juntam-se agora seis novos nomes que vão receber 100 mil euros de investimento cada uma. Pela primeira vez desde o arranque da iniciativa, foram selecionadas startups francesas e espanholas, além de portuguesas.

Indico e Google com nova edição do programa de aceleração. Têm um milhão para investir

As seis empresas escolhidas são: Art Curator Grid, uma startup que se descreve em comunicado como um “marketplace para transações de arte digital NFTs”; a Bam&Boo, uma “marca de e-commerce de produtos sustentáveis de higiene e beleza pessoal”; a Bildia, uma “plataforma integrada de software para agilizar a aquisição de serviços e produtos na industria da construção civil reduzindo o tempo e o custo para a planificação e execução de obras de construção civil”; a Gorodata, que afirma ser uma “plataforma de inteligência artificial que encontra na internet dados que indiquem sinais de potencial compra de produtos ou serviços por grandes empresas”; a Planless, que tem um sistema que “realiza o planeamento automático do trabalho de equipas e a otimização de respetivos projetos”; e a Spotlite com o seu “sistema de monitorização de infraestruturas e vegetação baseado em dados de imagens de satélite”.

A participação no programa de aceleração da Indico e da Google permite-nos obter as ferramentas necessárias para implementar a nossa visão. O apoio recebido tem-nos possibilitado o desenvolvimento simultâneo das competências necessárias à gestão da equipa, à criação de um produto de sucesso e ao desenvolvimento de um modelo de negócio sustentável”, diz Ricardo Cabral, cofundador da Spotlite.

Stephan Morais, sócio-gerente da Indico, refere que “com este programa de investimento e com a parceria com a Google pretende-se fomentar uma maior criação de startups e dar projeção às mais promissoras para que possam internacionalizar e usufruir de oportunidades de investimento maiores”. “Nomeadamente o acesso a mais financiamento da Indico que pode atingir os cinco milhões de euros por empresa”, refere também em comunicado.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Já Cristina Fonseca, sócia da Indico que foi a primeira mulher portuguesa a integrar a lista de Young Global Leaders, do Fórum Económico Mundial, menciona que este programa continua a “uma das melhores formas de entrar no ecossistema global da Indico”. E explica: “O programa de 12 meses de pre-seed (capital semente) inclui aconselhamento intensivo, apresentações de fundadores e investidores internacionais de grande sucesso, apresentações de parceiros do ecossistema, apoio na captação de fundos e de talento e muito mais, tanto da Google como da Indico”.

A Google para Startups é a iniciativa do Google para “ajudar as startups a prosperar em todos os cantos do mundo”. Em 2020, a Indico Capital Partners lançou um programa de investimento com o apoio deste departamento da Google. Desde 2019 — e ao todo –, os negócios que já foram selecionados angariaram mais de 687 milhões de euros em financiamento. As empresas que realizaram o programa de 2020 receberam “mais de 3,7 milhões de euros de investidores e apoios europeus ou nacionais que se somaram ao investimento inicial da Indico”, refere ainda o fundo.