Olá

834kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Caetano quis que Carminho parasse de "evitar" uma palavra. E assim nasceu a canção "Você-Você"

Este artigo tem mais de 6 meses

Uma "discussão" sobre o significado da palavra com Carminho fez nascer um dos temas do álbum mais recente do compositor brasileiro, "Meu Coco", que apresentou este fim de semana, no Coliseu de Lisboa.

GettyImages-1670663790
i

Carminho foi chamada ao palco nas duas noites, para cantar o tema de ambos e "Os Argonautas", de 1996

Redferns

Carminho foi chamada ao palco nas duas noites, para cantar o tema de ambos e "Os Argonautas", de 1996

Redferns

“Eu vou fazer você cantar ‘você'”. Foi essa a missão que Caetano Veloso impôs a si mesmo, quando ouviu os motivos para a fadista Carminho “evitar” a palavra correntemente usada no Brasil. O compositor não só conseguiu que esta gravasse a canção “Você-Você”, presente no seu mais recente álbum “Meu Coco”, lançado em 2021, como que o acompanhasse nos dois concertos que deu este fim de semana, no Coliseu de Lisboa.

“Como comento no vídeo da nossa conversa, a letra surgiu a partir das gravações que Carminho fez em ‘Carminho Canta Jobim’, em que evita a palavra ‘você’, pouco comum para os portugueses. A partir das nossas trocas, entendi o seu ponto de vista, ao mesmo tempo que pude enriquecer a minha argumentação. A canção é um passo a mais no meio dos nossos papos sobre o Português Brasileiro e o de Portugal”, referiu numa publicação de Instagram, em que mostra um pequeno excerto da atuação do passado domingo.

O músico de 81 anos refere-se ao seu mais recente vídeo publicado no Youtube, retirado do documentário “Caetano Explica Meu Coco”, lançado em maio deste ano, que remete para uma conversa com a fadista portuguesa em setembro de 2021, no Atlântico Blue Studios, em Paço de Arcos.

Para isso, Charles Gavin, músico e produtor brasileiro, encarnou o papel de entrevistador e pediu a Caetano um contexto para a presença de Carminho no tema.

“Na verdade, ela entrou, porque já estava dentro da canção. Nasceu por causa dela”, explicou o compositor, que atuará esta terça-feira, no Coliseu do Porto. Nesse momento, voltou a destacar o referido na publicação na rede social, relativamente à conversa de ambos, em que Caetano “meio reclamou, meio perguntou”, sobre os motivos para não usar a palavra ‘você’.

Com base nisso, escreveu a canção “Você-Você”, um diálogo “entre Brasil e Portugal, sobre a língua portuguesa”. E convidou Carminho para representar uma das partes.

“Fiquei emocionada quando soube que a canção tinha nascido de uma discussão que, na verdade, me fez crescer imenso”, começou por contar a fadista de 39 anos. “É um encontro comigo e com os meus fantasmas”, explica a rir-se.

“Não uso ‘você’, por uma razão muito simples de explicar, mas que, no Brasil, é muito difícil de entender. Em Portugal, usamos essa palavra quando nos dirigimos a alguém a quem temos respeito ou, quem sabe, não conheçamos”, continuou.

Nunca me dirigia com ‘você’ a quem amo. Se estiver a dirigir-me a uma pessoa amada, quero que a pessoa acredite em mim quando digo que a amo. Por isso, tinha de a tratar por ‘tu'”, confessou Carminho.

“Tu tens de arranjar um namorado brasileiro para desmistificar essa história do ‘você'”, respondeu Caetano, segundo as palavras de Carminho. Não foi preciso. Bastou um “fado brasileiro” para que esta ecoasse esse termo.

As “fissuras gigantes” entre Portugal e Brasil que se juntam numa única palavra

Para Carminho, a palavra ‘você’ representa algo muito maior do que o transmitido pelos brasileiros. “É engraçado, porque os dois países têm tantas semelhanças e, ao mesmo tempo, essas fissuras gigantes em termos de entendimento. Estão a dizer a mesma palavra, mas a significar mundos completamente diferentes”.

É isso que o tema de Caetano retrata, especialmente na última estrofe, que é “quase impossível de explicar”, como refere quando Charles Gavin pede para relatar o significado.

“No final, a letra fica mais radicalmente poética. Cada palavra sugere muita coisa”. Apesar disso, o compositor de êxitos como “Sozinho” e “Você É Linda” consegue “arrancar” o significado de algumas expressões usadas.

GettyImages-1670663796

O compositor e a artista gravaram a canção em setembro de 2021

O verso “Tu és você”, além de ser o “resumo” da discussão de ambos, quase foi o título do tema. “Disseram-me que o Chico Buarque tem uma canção com esse nome — apesar de a dele ter a vírgula, em vez do hífen — e era para não ficar parecidíssima com a dele. Mas não quis gastar essa frase”, explicou.

Acabou por ficar com o título original e colocou o verso a anteceder uma das maiores referências ao fado português. O nome de Amália Rodrigues surge seguido de quatro grandes compositores brasileiros — Ary [Barroso], Noel [Rosa], Tom [Jombim] e Chico [Buarque] —, mas não pelos mesmos motivos.

A Amália surge não como a sua pessoa, mas como um género. Ela é como se fosse o fado”, destacou.

Ainda assim, não era por referir uma das maiores fadistas portuguesas que Caetano Veloso sentia que tinha escrito um fado, especialmente porque, na sua opinião, faltava um ingrediente fundamental.

Quando o compositor chegou ao pé de Charles Gavin e confessou que tinha escrito um “fado brasileiro”, a palavra bandolim, instrumento de cordas brasileiro, fez-lhe uma certa comichão. “É difícil encontrar alguém que toque guitarra portuguesa no Brasil. Mas também não quis que ficasse uma reprodução do fado português. Quis que parecesse uma coisa minha”, acrescentou.

Já Carminho, compositora de temas como “Estrela” e “Meu Amor Marinheiro”, tem um conceito diferente do género musical: “Aquilo que determina o que é um fado não tem propriamente a ver com a presença da guitarra portuguesa. Essa faz parte da linguagem do fado, mas o que o define é a secção rítmica”, descreve.

“O que mais me surpreendeu quando ouvi primeiramente a canção do Caetano foi o acompanhamento rítmico. A viola dele estava com uma sensibilidade e uma ‘puxada’ do fado”, rematou a artista.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Campanha de Verão
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Coutdown campanha de verão Ver ofertas Oferta limitada