818kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Maior iceberg do mundo em movimento causa alarme na comunidade internacional. “A Antártida está a acordar"

Este artigo tem mais de 6 meses

Iceberg esteve mais de três décadas sem se mover, mas terá diminuído de tamanho. António Guterres deixou o alerta: "Estamos a assistir a uma aceleração completamente devastadora".

Iceberg A23a separou-se da costa antártida em 1986
i

Iceberg A23a separou-se da costa antártida em 1986

Getty Images

Iceberg A23a separou-se da costa antártida em 1986

Getty Images

O maior icebergue do mundo está em movimento pela primeira vez em mais de 30 anos. A massa de gelo, denominada A23a, separou-se da costa da Antártida no final da década de 1980, e era até aqui uma “ilha de gelo” fixa no mar de Weddell, uma região disputada entre o Reino Unido e a Argentina – uma realidade que se tem vindo a alterar no último ano.

Com uns impressionantes 4 mil quilómetros quadrados de área (mais de 40 vezes o tamanho da cidade de Lisboa) e 400 metros de profundidade, a movimentação recente do A23a tem deixando a comunidade científica em estado de alerta.

“Estava parado desde 1986, mas eventualmente ia diminuir suficientemente de tamanho que ia perder adesão e começar a mover-se”, referiu à BBC Andrew Fleming, especialista do British Antarctic Survey, acrescentando que os primeiros movimentos da plataforma começaram a ser vistos “em 2020”.

Nos últimos meses, a intensidade desta movimentação aumentou, devido em parte uma mudança nos ventos e na corrente marítima. O A23a está agora quase a ultrapassar a extremidade norte da Península Antártica. Daí, provavelmente marcará uma rota rumo ao Atlântico Sul – um percurso que já é conhecido como “beco dos icebergs”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Originalmente parte da barreira de gelo de Filchner-Ronne, a massa de gelo separou-se da costa em 1986. Na altura, tinha na sua superfície uma estação de investigação soviética, o que levou Moscovo a enviar uma expedição para resgatar o equipamento e a pesquisa.

GettyImages-1799941032

António Guterres visitou Antártida e voltou a alertar para o drama das alterações climáticas

Anadolu via Getty Images

A deriva do A23a acontece numa altura em que está prevista mais uma ronda de debates internacionais sobre o clima – facto que motivou uma visita do secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, à Antártida, onde o responsável voltou a alertar para o drama das alterações climáticas.

“O que acontece na Antártida não fica na Antártida. (…) Estamos a assistir a uma aceleração completamente devastadora”, disse Guterres, que descreveu o próximo encontro da COP28, no Dubai, como uma oportunidade para acordar um período para a transição energética e o abandono dos combustíveis fósseis. “A Antártida está a acordar, e o mundo tem de acordar com ela”, acrescentou.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos