757kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O que sabemos sobre a Cybertruck da Tesla: o bom e o menos bom

A Tesla entregou as primeiras unidades da Cybertruck e, no processo, revelou alguns dos dados que faltavam conhecer. Aqui fazemos-lhe um resumo de tudo o que precisa saber sobre a pick-up eléctrica.

10 fotos

A cerimónia de entrega das primeiras unidades da Cybertruck era aguardada com alguma ansiedade, o que pode ser considerado normal para uma pick-up, que é o tipo de veículo mais vendido nos EUA. Tudo porque o mais recente modelo da Tesla é apontado como tendo 2 milhões de pré-encomendas – número não confirmado pelo construtor e que nos parece muito optimista –, pelo que a lista de clientes à espera de assinar o cheque é considerável.

Além de ficar a conhecer o preço definitivo da pick-up eléctrica que foi prometida como a que iria oferecer a maior potência e a autonomia mais generosa, importava ainda conhecer os detalhes específicos do estranho veículo, bem como se manteria as características que foram avançadas durante a revelação original do veículo em Los Angeles, em Novembro de 2019.

Tesla Cybertruck: incrível na forma, potência e… preço

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Como é por fora e como resiste às balas?

Tal como no protótipo revelado há quatro anos, a Cybertruck de série, que agora começou a ser entregue aos primeiros clientes, mantém a estética em cunha que sempre a caracterizou, com uma carroçaria em aço inoxidável, que lhe garante maior resistência à corrosão e uma rigidez torcional superior, o que explica o facto de fazer parte integrante do próprio chassi. Com 5,68 m de comprimento, a pick-up da Tesla é substancialmente mais comprida do que as pick-ups de cabina dupla à venda em Portugal (30 a 40 cm), sendo sobretudo mais larga (2,20 m e 2,40 m com retrovisores) e mais baixa (1,79 m) e com um coeficiente aerodinâmico bem mais eficaz, reivindicando um Cx de 0,335.

9 fotos

A estética da Cybertruck é fruto do material em que é fabricada, uma vez que o aço inox é um material muito rijo, o que torna impossível de prensar para moldagem, permitindo somente ser esquinado, o que explica as abundantes arestas. O inox é ainda difícil de soldar e mais pesado do que a folha de aço convencional, característica que a Tesla compensa ao integrá-lo no chassi, como se tratasse de um exosqueleto.

É igualmente este inox que não necessita de ser pintado, mas que pode ser revestido por uma película de vinil para lhe dar cor (tipo wrapping), que permite à Cybertruck ser anunciada pelo construtor como resistente às balas. O fabricante mostrou esta faceta da pick-up com um vídeo em que é visível um atirador disparar uma pistola e uma espingarda metralhadora contra a chapa das portas, com as imagens em câmara lenta a revelar a deformação dos projécteis no embate, mas sem perfuração.

O mais recente veículo monta ainda vidros “à prova de pedras”. Segundo a marca, todas aquelas pedras de pequenas dimensões que por vezes são projectadas contra os vidros dos veículos, laterais ou para-brisas e que tantas vezes os marcam e ocasionalmente os estilhaçam, não provocarão danos nos vidros da pick-up, com o designer da Tesla, Franz von Holzhausen, ao demonstrar que resiste a uma bola de basebol depois de, em 2019, o vidro lateral não ter resistido a uma bola de ferro.

Como ficou a pick-up em termos de habitáculo e mala?

Aproveitando a largura generosa da carroçaria, a Cybertruck oferece um habitáculo com cinco lugares, distribuição típica das cabinas duplas mas que, neste caso, é mais generosa, sobretudo para quem ocupa um dos três lugares posteriores. Algumas das melhorias introduzidas no restyling do Model 3 foram herdadas pela pick-up, nomeadamente ao nível do ecrã e da iluminação interior, sendo que as portas em inox e os vidros mais robustos contribuirão para um melhor isolamento acústico.

O volante “yoke” da Tesla é um trunfo ou um erro?

O volante é do tipo yoke, similar ao que é oferecido opcionalmente nos Model S, mas que aqui não apresenta as desvantagens que caracterizam o sistema da berlina. O motivo prende-se com o facto de a Cybertruck montar a primeira direcção by-wire, em vez da tradicional ligação mecânica física do volante às rodas através da coluna, caixa e tirantes da direcção. Isto permite ainda adoptar uma desmultiplicação progressiva e até adaptável à velocidade.

Não há conexão física do volante no cybertruck. O roteamento é feito via comunicação com fio. Não acreditei quando ouvi pela primeira vez. Esta é uma engenharia bastante difícil.????
por u/ilyasgnnndmr em elonmusk

Lá atrás, a caixa de carga da pick-up, que é revestida com material compósito e coberta por um sistema com accionamento eléctrico, disponibiliza 1,83 m de comprimento por 1,22 m de largura (com uma capacidade de carga de 1134 kg), sendo que no compartimento de carga existem tomadas de energia para 120V (duas) e 240V (uma). A Cybertruck está ainda equipada com o que denomina Powershare, que permite fornecer energia a uma casa ou alimentar outro veículo eléctrico. Esta pick-up é ainda o primeiro veículo produzido em série equipado com um sistema de 48V, em vez dos tradicionais 12V, o que, entre outras vantagens, permite reduzir em 70% a cablagem eléctrica dentro do veículo.

A Cybertruck está à vontade fora de estrada?

Não é fácil perceber se a maioria dos clientes que pré-encomendaram a Cybertruck e que agora estão na fase de confirmar (e pagar) a sua pick-up vão utilizar o seu veículo como carro de trabalho ou de lazer, mas o certo é que ambos vão submetê-lo a frequentes incursões pelo todo-o-terreno. Para isto conta com pneus de grande diâmetro (35 polegadas, ou 88,9 cm) e mistos, uma vez que serviram para bater o Porsche 911 numa pista de drag race, para de seguida lidar com o deserto do Mojave.

Pick-up da Tesla bate Porsche 911 enquanto reboca outro 911

Tudo indica que a pick-up eléctrica se deverá sentir à vontade em estradas de terra, mesmo em zonas de mau piso e alguma trialada, uma vez que conta com suspensão pneumática nas quatro rodas. Isto não só garante o conforto, como lhe permite ser mais dura em asfalto e melhorar o comportamento em curva, para de seguida tornar-se mais macia e elevar a altura ao solo para 43,2 cm.

É certo que, sobretudo em todo-o-terreno, a autonomia diminui rapidamente, pelo que a Tesla reconhece que, mesmo com o Range Extender, é natural que os clientes tenham a necessidade de recarregar a bateria tão rapidamente quanto possível. Daí que a Cybertruck possa aceitar carga com potências até 250 kW, como os Model S, 3, X, Y, restando saber que vantagens irá retirar do facto de passar a usufruir de um sistema eléctrico a 800 volts (em vez dos actuais 400 V), o que permite reduzir a amperagem para a potência, gerando menos aquecimento.

Que versões oferece, qual o preço e a autonomia?

Os preços da Cybertruck aumentaram face ao que foi anunciado em 2019, fruto certamente das dificuldades técnicas relacionadas com a produção que o construtor teve de enfrentar. Há, de momento, três versões disponíveis da pick-up, nomeadamente a RWD (com um motor atrás e tracção traseira), a AWD (com dois motores, um por eixo e tracção 4×4) e a mais potente (antiga Tri Motor e agora denominada CyberBeast) com três motores (dois atrás) e tracção integral.

A Cybertruck RWD é proposta por 60.990 dólares, com uma autonomia de 402 km (em EPA, que deverá corresponder a mais umas dezenas de quilómetros no sistema europeu WLTP) e aparentemente a não poder recorrer à bateria extra (a aplicar na caixa de carga), que a Tesla denomina Range Extender. Anuncia ainda 180 km/h de velocidade máxima e 0-97 km/h em 6,5 segundos.

A versão AWD é comercializada por 79.990 dólares e parece ser a mais interessante e versátil. Monta dois motores, que deverão assegurar cerca de 600 cv, o suficiente para ir de 0-97 km/h em 3,9 segundos e atingir a mesma velocidade máxima, autolimitada a 180 km/h. A autonomia é de 547 km, valor que sobe para uns bem mais interessantes 756 km com recurso ao Range Extender, a bateria que se pode retirar quando não é necessária para não limitar o espaço na caixa.

À venda por 99.990 dólares, a Cybertruck de que todos falam, entre outros argumentos por ser aquela que bateu no arranque um Porsche 911 enquanto rebocava outro 911, é a CyberBeast, que foi até aqui denominada Tri Motor. Com um motor à frente e dois atrás, a potência deverá rondar 850 cv, assegurando 0-97 km/h em 2,6 segundos, valor que deverá resvalar para 2,7 segundos caso consideremos os 0-100 km/h, com a velocidade máxima a aumentar para 209 km/h. Os 3180 kg, mais 100 kg do que a versão AWD, justificam a ligeira quebra na autonomia, que passa a ser de 515 km ou de 708 km com o Range Extender. A capacidade de reboque da CyberBeast alinha pela bitola máxima e pela versão AWD, puxando 4990 kg, contra 3402 kg da versão RWD.

Neste domínio, a Tesla divulgou um vídeo e que aparece a CyberBeast num comparativo de tractor pulling, evento específico muito popular nos EUA, frente às concorrentes directas Ford F-150 Lightning e Rivian R1T, além da Ford F-350 com motor a gasóleo, tida como a referência neste tipo de exercício. A CyberBeast atingiu 96,9 metros, batendo a Ford F-350 (80,2 m), Rivian R1T (78,3 m) e Ford F-150 Lightning (63,1 m).

Veja aqui os primeiros ensaios à Cybertruck

Alguns dos jornalistas que estiveram presentes na apresentação da Cybertruck tiveram igualmente a possibilidade de figurarem entre os primeiros a conduzir a mais recente pick-up eléctrica. Entre os disponíveis, destacámos o vídeo da Top Gear:

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.